sexta-feira, outubro 20, 2006

PERDIDA NA REVOLUÇÃO

Contrariamente ao promissor "As Virgens Suicidas" e ao interessante mas incompreensivelmente incensado "Lost in Translation - O Amor é um Lugar Estranho", "Marie Antoinette", o terceiro e mais recente filme de Sofia Coppola, não tem sido alvo de considerável aclamação internacional, chegando agora a salas nacionais com o carimbo de "desilusão" motivado pela fria recepção que a película obteve na sua estreia durante o Festival de Cannes.

O trailer, acompanhado por "Ceremony", dos New Order (à partida uma escolha pouco óbvia para uma obra de época), ou mesmo os cartazes promocionais, carregados de sofisticação e apelo pop, já sugeriam que a abordagem da realizadora de parte da vida da última rainha de França seria longe de canónica, mas essa ousadia acabou por não ser levada até ao limite, sendo mais operação de cosmética do que a reinvenção de um formato.

"Marie Antoinette" começa com a partida da protagonista para França, aos 14 anos, abandonando a sua Áustria natal a fim de casar com Luís XVI, e deixa de segui-la nos primeiros dias da Revolução Francesa, com a invasão do palácio de Versalhes. Entre um acontecimento e outro, Coppola lança um olhar que não pretende tanto ser um retrato fiel das experiências de Marie Antoinette mas antes uma reflexão sobre a difícil e contraditória entrada na idade adulta, tema igualmente decisivo nas suas duas obras anteriores.

Esta é, assim, mais uma história sobre a solidão e as ambiguidades do processo de crescimento, onde no meio de toda a pompa e circunstância de um ambiente requintado e sumptuoso sobressai o isolamento de uma figura que não compreende o contexto em que se insere, levando, por sua vez, a que as suas atitudes de rebeldia apenas contribuam para que o seu papel de outcast seja reforçado.

Coppola continua a saber combinar amargura, melancolia e serenidade de forma singular, gerando uma envolvente aura atmosférica e etérea onde a contribuição da banda-sonora volta a ser elemento fundamental, contando com nomes como os The Cure, Aphex Twin, Siouxsie and the Banshees, The Strokes ou os já habituais Air.
Embora tenham nascido cerca de dois séculos depois do período em que a acção decorre, as canções não surgem aqui como elemento forçado, antes eco natural dos estados emocionais que vão habitando a protagonista. A combinação destas com os imponentes e belíssimos cenários de Versalhes origina, de resto, algumas das cenas mais fortes do filme, onde a realizadora dá provas de uma sensibilidade apurada e com sentido de oportunidade.

No entanto, se "Marie Antoinette" contém um casamento feliz entre a sua componente visual e sonora, não deixa de evidenciar debilidades no desenvolvimento da narrativa, demasiado redundante e cujo último terço acusa já alguma falta de fôlego, e na construção das personagens, dando a Steve Coogan, Marianne Faithfull ou Asia Argento papéis que não vão além da caricatura.
Mesmo Jason Schwartzman, cuja personagem, Luís XVI, é mais relevante para o argumento, não tem muito para fazer, limitando-se a repetir a postura alienada e offbeat vista e revista em títulos como "Uma Rapariga Cheia de Sonhos" ou os "Psico-Detectives", e embora o faça bem não consegue surpreender.
Resta a Kirsten Dunst carregar o filme às costas, e mais uma vez - já era ela quem mais brilhava como Lux Lisbon em "As Virgens Suicidas" - oferece um desempenho luminoso, seguro e absorvente, compondo uma Maria Antonieta simultaneamente insinuante e ingénua, frágil e rebelde.

"Marie Antoinette" não é, portanto, uma obra isenta de desequilíbrios e menos ainda o opus que muitos esperariam que Sofia Coppola edificasse após dois filmes tão marcantes, mas seria injusto não reconhecer que possui ainda algumas das qualidades que notabilizaram a realizadora. E, mesmo que estejam por vezes dispersas numa obra com mais ambição do que consistência, ainda vale a pena vê-las, reconhecê-las e apreciá-las.
E O VEREDICTO É: 3,5/5 - BOM

18 comentários:

H. disse...

parece-me a crítica anda empenhada em destruir bons filmes este ano...
achei um filme muito sofia coppola, e isso é sempre bom. ela apresenta uma enorme coerência em todos os seus filmes e este não foi excepção.
uma obra lindíssima tanto pela sua aparência como pelo seu conteúdo, saí com a sensação clara de quem vi uma obra que tem tanto de excelência como de incompreendida. e acredito que o tempo fará justiça a esta visão da menina Coppola...

gonn1000 disse...

Também não vejo motivos para tanta animosidade, mas acho que o filme muito longe da excelência, já que lhe encontro mais méritos na aparência do que no conteúdo. E sim, continua "muito Sofia Coppola", para o bem e para o mal.

Flávio disse...

Se foi apupado em Cannes, deve ser bom.

cine-asia disse...

Concordo com o Gonn. Filme com uma componente visual, de cenário e de detalhe muito bom. Interpretação de Kristen Dunst fenomenal, enquanto os restos personagens são mero suporte narrativo. Narrativa desiquilibrada e com uma montagem mal conseguida, perdendo demasiado tempo em pormenores e situações no inicio para um final à pressa e completamente anti-climax. Esperava mais...

gonn1000 disse...

Flávio: Eheh, neste caso acho que foi uma injustiça.

Cine-Asia: E eu esperava menos, até porque não tenho grande devoção pela Coppola. Não deslumbra, mas é um bom filme.

Marcus Vinícius disse...

Não chegou aqui ainda, mas irei converir com certeza. Só pra lembrar que Cannes apupou 'Broken Flowers', ou seja: isso não é vantagem alguma. Ainda acho que ela é uma das grande promessas, junto com Aronofsky. Agora é esperar os próximos filmes.

gonn1000 disse...

Bem, no caso de "Broken Flowers" até concordo, já que não gostei do filme, acho que "Marie Antoinette" é bem melhor. E sim, a Coppola promete mas ainda não fez nenhum filme que me conquistasse por completo.

iLoveMyShoes disse...

Eu não sou fã da realizadora... não vibrei com as virgens, odeio o lost in translation. Quanto a este Marie Antoinette... é um filme fútil, mas acho que o objectivo era esse. E sobretudo um filme muito actual, retirem os vestidos e os cenários e temos um grupo de miúdas que falam de vestidos, sapatos, que acham uma seca operas longas (podiam ser filmes longos), que se divertem a ler os mexericos, que falam de rapazes... A introdução de uns All Star na cena da escolha de sapatos, terá sido assim tão inocente?

iLoveMyShoes disse...

"As far as the Converse, that girl just had it on there and we just left it in for fun, to be playful in this teenage world. Some people go with it, some people don't." Sofia dixit

gonn1000 disse...

Também não me considero um fã, mas fui dos que conseguiu aderir à nova proposta da Sofia, que pode ser fútil mas não desagrada enquanto dura.

Hugo Alves disse...

Concordamos. Acho que muitas das críticas foram influenciadas pelo chauvinismo francês. Será que se pode dizer: La reine est morte, vive la reine?

gonn1000 disse...

É capaz de ter sido também por isso, já tenho lido opiniões nesse sentido. E parece que neste concordamos mesmo, mais tarde ou mais cedo teria de acontecer ;)

Spaceboy disse...

Tenho que ir ver este filme urgentemente (sou fã da Coppola). Desta semana não escapa.

gonn1000 disse...

Vai ver que vais gostar de certeza :)

kimikkal disse...

Tenho de ver o filme, mas tudo o que li sobre o filme inclina-se para o seguinte denominnador comum:´O filme é Kristen Dunst e os outros.

gonn1000 disse...

Hum, mais a Kristen Dunst, os "outros" são pouco mais do que figurantes, tão decorativos como os vestidos ou as colecções de sapatos.

Kraak/Peixinho disse...

Sábado tentei ir ver o filme e népia de bilhetes. Vou ver esta semana, nem que seja à meia-noite.

Hugzz

gonn1000 disse...

Ora, então ias ver o "Aos Doze e Tantos", que se arrisca a passar ao lado e também vale bem o preço do bilehte :P Cya