terça-feira, abril 25, 2006

O CASAMENTO É UM LUGAR ESTRANHO

No seu mais recente filme, “Un Couple Parfait”, de 2005, o cineasta japonês Nobuhiro Suwa recorre a um elenco totalmente francês para relatar o conturbado quotidiano de um casal à beira do divórcio que, após vários anos a viver em Lisboa, regressa a Paris para comparecer ao casamento de um amigo.

Casados há 15 anos, Nicolas e Marie entram em fricção constante e têm dificuldade em comunicar, mas insistem em permanecer juntos durante a viagem, partilhando os últimos momentos antes da separação.
Suwa segue-os ao longo desse período, originando um claustrofóbico e tenso retrato da intimidade (ou falta dela) e da frustração, colocando as suas personagens à beira do limite emocional mas nunca prescindindo de uma carregada sobriedade e contenção.

Dominado por cenas longas e recorrendo quase sempre a estratégicos planos estáticos, “Un Couple Parfait” é um interessante exercício sobre a crispação afectiva e os constrangimentos de uma vida a dois, onde a câmara está sempre colocada de modo a captar a vertigem dos protagonistas, implementando um seco e cortante efeito realista que a iluminação invernosa ajuda a consolidar.

Se este cuidado com as especificidades do espaço e da sua interligação com as personagens é um elemento fulcral do filme e gera algumas sequências fortes – sobretudo as primeiras no quarto de hotel -, também acaba por se tornar num dispositivo algo redundante e cansativo, proporcionando outras cenas inconsequentes ou desnecessariamente longas (em particular aquelas em que o casal está separado, como as do museu ou do bar).

“Un Couple Parfait” é assim uma película desigual, que só ganharia em abdicar de alguma palha narrativa que dilui o efeito dos bons desempenhos do par protagonista, Valeria Bruni-Tedeschi e Bruno Todeschini, quase sempre ancorados no improviso. Ela é especialmente credível, e os seus sussurros e olhares expõem a vulnerabilidade e a relutância de uma personagem em conflito, que tenta ainda reconstruir os estilhaços da sua relação em colapso.

Por vezes envolvente, noutros casos monótono e arrastado, “Un Couple Parfait” é um filme desequilibrado, de altos e baixos, que a espaços de aproxima de “5x2” (com o qual tem também em comum a actriz principal), e que embora fique um pouco abaixo do filme de Ozon é ainda um atento e revelador drama sobre as dificuldades conjugais.

E O VEREDICTO É: 2,5/5 - RAZOÁVEL

5 comentários:

André Batista disse...

noto uma referência ao "lost in translation" no título do post.. :) eheh

H. disse...

um dos que lamentei perder no Indie, sem dúvida...

gonn1000 disse...

André Batista: Pois, o teu mais-que-tudo eheh...

H.: Deixa lá, não perdeste assim tanto.

Scott Arthur Edwards disse...

Wow what a cool blog you have here! I am impressed. You really put a lot of time and effort into this. I wish I had your creative writing skills, progressive talent and self- discipline to produce a blog like you did. Your blog really does deserve an honest compliment. If you have some time, stop by my site. It deals with stuff like, click here: money making internet business and then feel free to e-mail me with your words of wisdom.

P.S. I'll sure put the word out about your site and I would appreciate any business you may send my. way... Later, Scott.

Anónimo disse...

I have been looking for sites like this for a long time. Thank you!
Free lesbian licking movie Hardcore hentai dating sims