sábado, maio 13, 2006

O MAL

Projecto de três dos mais aclamados cineastas orientais a emergir nos últimos anos, "3... Extremos" (Three...Extremes) reúne três médias metragens, com cerca quarenta minutos cada, dirigidas por Fruit Chan, Park Chan-wook e Takashi Miike, que em comum têm o facto de apresentarem histórias onde emerge a faceta mais sórdida, perversa e sinistra do ser humano.

"Preciosa Iguaria" (Dumplings), de Fruit Chan, relata até onde está disposta a ir uma actriz que pretende retardar o seu envelhecimento, recuperando a sua juventude através do consumo de bolinhos de massa com ingredientes, no mínimo, pouco convencionais.
Alicerçando-se num saboroso (passe a expressão) humor negro, o realizador de Hong Kong oferece uma perturbante experiência cinematográfica, onde apesar da morbidez das situações o argumento nunca resvala para domínios do choque gratuito, convencendo e intrigando pela sobriedade com que se desenrola.

Se "Preciosa Iguaria" entusiasma pela sugestão doentia, "Corta!" (Cut), do sul-coreano Park Chan-wook, contém cenas de uma violência mais gráfica do que psicológica, centrando-se num conceituado realizador que é aprisionado em casa por um ex-colaborador e forçado a assassinar uma criança a sangue-frio, sob pena de ver os dedos da sua esposa serem decepados um a um.
O mais sangrento dos três contos conquista sobretudo pela energia visual que Chan-wook gera, impressionando com a fluidez da sua câmara, ágil e imprevisível, e pela paleta cromática com que ilustra uma atmosfera claustrofóbica.
O autor de "Old Boy - Velho Amigo" não é, infelizmente, tão bem sucedido na construção do argumento, mais uma história de vingança que por vezes se aproxima da saga "Saw" e peca pelo histerismo exacerbado, originando uma desequilibrada gestão do suspense.

"Caixas" (Box), do japonês Takashi Miike, mergulha nos sonhos - aliás, pesadelos - de uma escritora, que evocam memórias da sua infância e familiares. Inesperadamente contemplativo e sereno - desprovido do travo gore de "Audition" e "Uma Chamada Perdida" -, é um exercício que, ao enveredar por contornos introspectivos e enigmáticos, não consegue ser complexo nem envolvente mas antes maçador e pretensioso.
Miike injecta a espaços algum brilho formal, desenhando promissoras atmosferas oníricas e etéreas, mas a narrativa dispersa e arbitrária torna esta média metragem num esboço dispensável.

Partindo de uma ideia com potencial, "3... Extremos" é demasiado desequilibrado, pois a qualidade decrescente das suas três partes faz do filme um objecto apenas curioso, longe do melhor que o cinema oriental recente tem proporcionado. Arrepia, por vezes quase chega a assustar, mas como um todo é pouco mais do que inconsequente.
E O VEREDICTO É: 2/5 - RAZOÁVEL

14 comentários:

cine-asia disse...

2???????????????

Não compreendo.

gonn1000 disse...

Então? Não desgostei da primeira, a segunda tem alguns elementos com interesse e a terceira é uma perda de tempo.

tf10 disse...

eu tb nao....
3 curtas de horror requintado!
Dumplings é um bom exercicio de "critica social" tao frequente nos filmes do fruit, neste caso na vertente "horror", ainda que nao seja propriamente um horror tradicional. Imperdoável nao destacar o fabuloso trabalho de fotografia de mestre Doyle!!
Box, Miike mostra toda a sua versatilidade, sim porque ao contrario do que se possa pensar, ele faz um pouco de tudo e (quase) sempre com grande nivel, esta curta é um bom exemplo disso. Nivel tecnico mt bom e o seu toque mais "weird" no final!
Cut, park concentrado em 40 minutos, nao ha mt mais a dizer!! Estética fantástica, violencia q.b. com detalhes mais sordidos.
Resumindo e ao contrário do que foi dito, este é sem duvida um grande projecto asiático de horror dos ultimos tempos e que dá um autêntico ´banho` ao "Three" (onde só se salva a curta do kim)
Mais do que recomendável!

abraço!

gonn1000 disse...

Enquanto exercício de terror pareceu-me fraco, pelo que tinha ouvido esperava muito mais, não vi nele nada de especialmente impressionante, mas também não se pode gostar de tudo.

André Batista disse...

Um dos filmes que me envergonho de ter perdido este ano. Só estava em exibição no Alvaláxia e depois foi para outra sala (se não me engano), e acabei por perdê-lo num mar de estreias nas salas de cinema portuguesas. Mas ainda o hei de ver, está prometido!

Cumprimentos

gonn1000 disse...

Pois, esteve em cartaz pouco tempo e em poucas salas, mas acho que este é mais apropriado para DVD, para ver no cinema recomendo melhores filmes (opinião pouco consensual, no entanto).

miguel disse...

é um filme de extremos, de facto. mas tb era de admirar se não fosses contra a onda de admiração do filme.:-P
abraço.

gonn1000 disse...

Hum, o que é que queres dizer com isso? :P

miguel disse...

digo apenas que não costumas partilhar da opinião da maioria, mais nada.;)
um abraço.

gonn1000 disse...

Ah, mas olha que há casos e casos :)

miguel disse...

sim, tb é verdade. contudo ainda me está atravessado o 3/5 que dás a history of violence, uma das maiores obras dos últimos anos.:-P

gonn1000 disse...

Estás a falar do filme do Cronenberg? Hum, será que vimos uma versão diferente?? :P

miguel disse...

depende do ponto de vista. assumindo que cada um interpreta e unifica o filme à sua maneira, pode dizer-se que sim. :-P

gonn1000 disse...

Sim, de acordo com esse ponto de vista não vimos seguramente a mesma versão :P