domingo, setembro 02, 2007

D.A.N.C.E. E NOISE À FRANCESA

E de repente, após revolucionar o universo da música de dança em meados dos anos 90, França volta a fazer uma forte investida no mapa sonoro actual através de lançamentos de vários novos nomes, a fazer lembrar a entrada em cena de referências agora respeitadas como, entre tantos outros, Alex Gopher, Saint Germain, Air ou Daft Punk.
A influência destes últimos é particularmente evidente em muitos dos novos projectos em ascensão, em especial nos da editora Ed Banger, liderada por Pedro Winter (AKA Busy P), curiosamente – ou nem tanto – o manager da emblemática dupla que lançou portentos como “Around the World” ou “One More Time”.

Xavier de Rosnay e Gaspard Auge, o duo que responde pelo nome Justice, não esconde a determinante herança Daft Punk no seu disco de estreia, “Cross”, pegando na sua amálgama house, funk e noise e triturando-a ao longo de um álbum que abraça outros géneros de forma mais ou menos óbvia, com destaque para o estranho híbrido entre uma reforçada carga disco e flirts de reminiscências metal (mais pela carga austera e crua das canções e na peculiar iconografia do projecto do que pelas sonoridades em si).

Apoiado numa produção tão minuciosa quanto rugosa, dado o estratégico emergir de distorções por entre eficazes batidas, “Cross” apresenta uma série de faixas intrigantes e sombrias, ainda que incitem sempre à pulsão dos corpos e estejam prontas a dinamitar uma pista de dança de gosto ecléctico.
A blogosfera ajudou a espalhar o culto em torno do duo e, no meio da recepção crítica de que o álbum tem sido alvo, há quem o proclame como o “Homework” desta década, epíteto exagerado para uma estreia que, tendo os seus méritos, não terá menos limitações. É verdade que os Justice arrancam aqui alguns bons temas alicerçados numa consistente mescla de referências, que a sua sonoridade que primeiro se estranha e depois se entranha traz alguma frescura ao universo da música de dança, estabelecendo interessantes aproximações a uma linguagem rock, contudo se parte das faixas até resultam bem individualmente torna-se cansativo ouvir o disco na íntegra.

A maioria das canções de “Cross” são instrumentais que assentam quase sempre nos mesmos modelos, apostando em estruturas que geram curiosidade nos momentos iniciais, como “Genesis” ou “Let There Be Light”, mas que em “Waters of Nazareth” ou “One Minute to Midnight” têm já um desagradável sabor a mais do mesmo, afogando-se numa redundância de ruídos que cedo passam de empolgantes a fastidiosos.

Por vezes emergem variações entusiasmantes, como no apropriadamente intitulado “Stress”, onde se sai do clima de festa ensurdecedora para cair no meio de um sufocante filme de suspense, ou em “Phantom” e ”Phantom pt. II”, episódios com uma receita disco noise mais apurada.
É pena que a inspiração destes momentos não se mantenha nas canções que recorrem a vozes, caso de “Ththhee Ppaarrttyy”, uma pouco arriscada colaboração com a colega de editora Uffie, da igualmente inconsequente “DVNO” ou do single “D.A.N.C.E.”, canção que destoa no álbum dada a considerável carga poppy, e mesmo tendo a graça de soar a uns Jackson Five da era digital esgota-se ao fim de quatro ou cinco audições (a menos que devidamente acompanhada do respectivo videoclip, bem mais apelativo).

Sendo uma estreia promissora, “Cross” é demasiado desequilibrado para colocar os Justice como os novos heróis do french touch, até porque o catálogo da Ed Banger Records inclui discos mais recomendáveis – como “Lucky Boy”, de DJ Mehdi – e as mesmas coordenadas já foram revistas de forma superior em “Destroy Rock & Roll”, de Mylo, com maior diversidade e carga lúdica. Mesmo assim, quando acerta a dupla revela um savoir faire que sugere que daqui poderão ainda surgir resultados à altura do hype, pelo que convém continuar a segui-la nos próximos tempos - mas sem histerias precipitadas.

E O VEREDICTO É:
2,5/5 - RAZOÁVEL



Justice - "D.A.N.C.E. (MSTRKRFT Remix)"

10 comentários:

Spaceboy disse...

Razoável?! ahah, é só um dos melhores do ano, se os daft punk tivessem querido tinham feito um disco como este no último "humans after all". e a "waters of nazareth" só não é uma das músicas do ano porque já foi editada há 1 ou 2 anos, parece repetição do que vem para trás quando ela foi criada primeiro? ok.
ouve o disco outra vez, que é bem melhor do que julgas.

gonn1000 disse...

Parece repetição do que vem para trás no contexto do álbum, porque é a penúltima. Ah sim, concordo que o disco é melhor do que o "Human After All", mas isso também não é propriamente um grande feito, parece-me. E já o ouvi vezes suficientes para poder dizer que não me convenceu especialmente, a menos que se ache que estamos perante um álbum excepcional só por ter duas ou três canções acima da média.

Spaceboy disse...

só que não tem 2/3 canções acima da média, o álbum é todo no geral acima da média. mas ok, gostos, claro que não poderíamos concordar uma vez mais. :p

gonn1000 disse...

Pronto, pronto, quando um de nós destacar o do Gui Boratto - e de repente não me ocorre mais nenhum - já concordamos ;)

miguel disse...

"“D.A.N.C.E.”, canção que destoa no álbum dada a considerável carga poppy, e mesmo tendo a graça de soar a uns Jackson Five da era digital esgota-se ao fim de quatro ou cinco audições".
hum olha que não. por aqui não a tenho poupado na rodagem nos últimos meses ;)

gonn1000 disse...

Pois eu não a gastei muito, apesar de tudo acho mais piada à remistura dos MSTRKRFT, o original não aquece nem arrefece.

Anónimo disse...

Noise? Noise? Noise? Ainda me tou a rir, é muito baixo, mesmo, para ti.

gonn1000 disse...

Ok, então recorrendo à Wikipedia, que vale o que vale, digo que a música dos Justice parece-me adquirir contornos noise num sentido lato, como é descrito aqui:

"Noise é o nome dado a um estilo musical que utiliza maioritariamente sons considerados, em circunstâncias comuns, desconfortáveis ou irritantes.

Algumas pessoas acham que é contraditório considerar o estilo (traduzido literalmente para barulho) música, já que barulho é geralmente definido como som que não é agradável, estrurado, nem proposital, ao contrário da música. Por outro lado, barulho pode se referir a qualquer som extremamente alto ou discordante, que freqüentemente é a base do estilo.
"

e não tanto num mais restrito, que já aponta para domínios mais extremos onde eles não vão, pois não deixam de ser um projecto assente em domínios pop dançáveis, ainda que com uma sonoridade geralmente mais rude do que limpa:

"Noise music is music composed of non-traditional musical elements, and lacks musical structure like harmony and rhythm. A noise musician may incorporate, for example, tape hiss, manipulated recordings (e.g. intentionally scratched or skipping vinyl recordings), machine noise, feedback of various sorts, non-musical vocal elements, etc."

Strumer disse...

este disco esta a dar que falar por aqui;) cmo a maioria dos comentarios,também eu acho este album muito bom! inseridos nos novos nomes da música electronica, e apesar de considerar o hype talvez um pouco excessivo..a verdade é que este album agrada me e muito. tem grandes malhas, beats incessantes e a DANCE é uma delícia (apesar de tal como tu preferir a versao dos enormes mstrkrft). enfim..opinioes;)

entretanto vou linkar o blog..;)

cumprimentos

gonn1000 disse...

Gosto de alguns temas, no geral acho o disco desequilibrado, resultaria melhor como EP.
Obrigado, também já estive a espreitar o teu blog :)