domingo, outubro 07, 2007

PROFUNDO AZUL

Marie, magra e circunspecta, e Anne, obesa e imatura, são duas amigas de quinze anos cuja fisionomia está longe dos estereótipos de beleza seguidos pela maioria dos jovens com quem convivem, e que se coadunam mais com a figura esbelta e delicada de Floriane, não por acaso a adolescente mais disputada do bairro.
Invejada pela maioria das raparigas, esta acaba por gerar alguma cumplicidade com Marie, facultando-lhe o acesso às suas aulas de natação sincronizada em troca de ajuda para que os pais a deixem sair de casa (levando-os a pensar que estão juntas quando na verdade Floriane vai encontrar-se com o namorado).
De um regular ciclo de favores nasce uma relação de amizade que as marca de formas distintas: a Marie porque lhe permite conviver com alguém que admirava em segredo, a Floriane porque lhe garante uma confidente feminina que não almeja tomar o seu lugar.

Os contactos destas duas conhecidas tornadas amigas, assim como as reacções de Anne, são o cerne de "Naissance des Pieuvres", segura estreia na realização da francesa Céline Sciamma, que aqui deixa um atestado de maturidade neste relato do universo da adolescência feminina, partindo de personagens e situações reconhecíveis sem no entanto cair em domínios óbvios.
A realizadora oferece um envolvente estudo de personagens, seguindo os episódios quotidianos de três jovens para quem a infância ainda é um espaço recém abandonado e de difícil articulação com as obrigatoriedades que a adolescência lhes impõe, em particular a forma de se relacionarem com o despontar da sexualidade.

Debruçando-se sobre os fantasmas que nascem do modo como as personagens lidam com as mudanças do corpo, tanto em privado como em público - onde a piscina surge como território decisivo -, "Naissance des Pieuvres" incide também nos dilemas que moldam e influenciam a construção das suas personalidades, o que leva a que os laços de amizade sejam cada vez mais voláteis, ainda que dolorosos, sobretudo quando se confundem com outras emoções.

Céline Sciamma concede a esta história de auto-descoberta uma tridimensionalidade invejável, para a qual contribuem as muito convincentes interpretações do jovem trio de actrizes e uma atmosfera realista e intimista, fruto de um sóbrio trabalho de realização e fotografia.

Se a espaços o filme quase se perde em cenas demasiado contemplativas, compensa-as noutras com uma forte intensidade emocional e visual, de onde sobressaem os expressivos olhares das protagonistas ou a cuidada iluminação com frequentes (e hipnóticos) tons azulados.
A bela banda-sonora instrumental composta por Para One, uma das sensações da nova electrónica francesa, sedimenta a elegância cenográfica e ajuda a que algumas sequências remetam para a carga sensorial da obra de Sofia Coppola, embora Céline Sciamma também mostre o que Catherine Breillat poderia ter atingido em "Para a Minha Irmã!" se não tivesse o propósito de chocar. E assim apresenta uma primeira longa-metragem que surpreende pela maturidade demonstrada e deixa curiosidade quanto a futuros - e breves, espera-se - passos na realização.

E O VEREDICTO É: 3/5 - BOM

Filme apresentado na 8ª Festa do Cinema Francês, a decorrer até dia 15 no Cinema São Jorge, em Lisboa



Para One - "Finale"

8 comentários:

André disse...

Amanhã apareces no maria matos à noite? Vai ter muito cinema como nunca o viste.

gonn1000 disse...

Esta semana não é muito propícia a saídas à noite nos dias úteis, mas se puder apareço. De qualquer forma, boa sorte ;)

8@festa do cinema francês disse...

*obrigado pelo apoio*
www.festadocinemafrances.com

gonn1000 disse...

De nada, venham mais filmes :)

João M disse...

parece muito interessante, também a fazer lembrar o "la nina santa" da lucrecia martel (se não me engano no nome). gostava de ver. sabes se repete?

gonn1000 disse...

Gostei mais deste do que do da Lucrecia, da qual não sou grande fã. Julgo que não repete (pelo menos em Lisboa), mas é capaz de estrear mais cedo ou mais tarde.

Ricardo disse...

Parece ser interessante. Bou Ber!!!! Um abraço!

gonn1000 disse...

Interessante é, mas não sei se será muito fácil de encontrar. Fica bem :)