quarta-feira, agosto 31, 2005

THE EMINEM SHOW

Muitas vezes - demasiadas, até -, quando músicos apostam em experiências enquanto actores, os resultados deixam a desejar e não são mais do que tentativas embaraçosas de prolongar o seu carisma num território que não se revela o seu.
Nos últimos anos, figuras da pop como Whitney Houston, Britney Spears, Mariah Carey ou Madonna, entre outras, tentaram a sua sorte na sétima arte, mas nenhuma foi especialmente convincente.

Em "8 Mile", de 2002, foi a vez do rapper Eminem complementar o seu percurso musical com um projecto no grande ecrã, mas ao contrário dos casos anteriores, apresentou não só um desempenho seguro mas também um filme acima da média.

Inspirada em certos elementos da vida do cantor - embora não se saiba exactamente até que ponto -, a película desenrola-se nos subúrbios de Detroit e oferece um interessante olhar sobre o desencanto de uma juventude sem perspectivas viáveis e com poucos modelos e referências, vivendo um quotidiano rotineiro e pouco estimulante.

Jimmy Smith Jr, mais conhecido como Rabbit, é um desses jovens, que para além de problemas familiares enfrenta outros dilemas como a precariedade do trabalho (é operário numa fábrica local) ou conflitos com gangs.
Uma das poucas coisas que o inspira e encoraja é a música, particularmente o hip-hop, linguagem que em tudo se relaciona com a tensão urbana com que contacta diariamente. Entre os seus objectivos, Rabbit persegue com mais obstinação o de se tornar num músico reconhecido e respeitado, e "8 Mile" foca as contrariedades com que terá que se debater ao lutar por essa ambição.

Mais um filme sobre um self-made man? Sim e não. Se, por um lado, "8 Mile" não se desvia muito de uma linha clássica tipicamente norte-americana sobre a ascensão - ou, pelo menos, um triunfo moderado - de um jovem envolto em situações hostis, também é verdade que esse percurso é apresentado de forma realista q.b., não se tornando num filme formatado e muito menos em mais uma moralista história edificante.

O mérito, para além de Eminem, que surpreende com uma interpretação credível e sentida, é sobretudo de Curtis Hanson, realizador desigual - aclamado por "L.A. Confidential" ou "Wonder Boys - Prodígios", contudo não tão recomendável em "Influência Fatal" ou "Rio Selvagem" -, mas que aqui se encontra inspirado e sabe que rumo dar ao filme.

O trabalho de realização de Hanson, discreto e astuto, consegue injectar uma considerável aura realista, retratando os espaços urbanos de forma suja e crua mas estranhamente envolvente.
Igualmente determinante para a notável definição de ambientes é a hipnótica fotografia de Rodrigo Prieto, sem dúvida uma das mais impressionantes do cinema de hoje cuja qualidade também pode ser atestada em obras como "A Última Hora", de Spike Lee, ou "Amor Cão" e "21 Gramas", de Alejandro Gonzalez Iñarritu.

"8 Mile" é uma película sóbria, que não tenta ser mais do que aquilo que é, preocupando-se em oferecer uma boa história bem contada.
Essa ambição moderada assenta-lhe bem, pois assim perdoam-se alguns elementos menos conseguidos, como o tratamento algo superficial das personagens secundárias (apesar de boas prestações de Kim Basinger, Brittany Murphy e da maioria do restante elenco) e a previsibilidade que o argumento não consegue evitar a espaços.

"8 Mile" não é um filme particularmente inovador, mas contém um protagonista com algum magnetismo e um curioso - e poucas vezes visto no cinema - olhar sobre a cultura hip-hop, propondo uma interessante perspectiva sobre o crescimento, a família, a violência, a amizade e a alvorada da idade adulta. Não é revolucionário, mas tem muito mais do que seria de esperar...

E O VEREDICTO É: 3/5 - BOM

17 comentários:

brain-mixer disse...

Parecia uma biografia soft de Eminem. Não gostei muito do filme, ainda para mais ser realizada por Curtis Hanson. Ele aqui falhou... Se não fosse uma estrela rap a protagonizar o personagem principal, o filme ia para as urtigas.

S0LO disse...

Não vi, mas ando curioso. Talvez o alugue um dia destes.

Cumps. cinéfilos

magnolias_forever disse...

Um dia destes deu na televisão, eu tentei ver mas.. não! não gosto mesmo..muito parado, muito o drama e o horror! não me diz mesmo nada..!

gonn1000 disse...

Brain-Mixer: Sim, claro que o star power de Eminem contribui para a divulgação, mas mesmo assim o filme tem os seus méritos...

SOLO: Acho que merece o aluguer, arrisca...

magnolias_forever: O filme podia ser mais dinâmico, mas não achei assim tão "dramalhoso". Opiniões...

Spaceboy disse...

Na altura quando vi o filme estava à espera que o filme fosse péssimo e surpreendi-me. Gostei do filme, acho que o Eminem desenrascou-se muito bem na papel de actor, só não gostei muito daquele final...

gonn1000 disse...

Eu gostei, deixou-nos sem saber ao certo o que aconteceria ao protagonista...

Knoxville disse...

Consegue superar as dúvidas iniciais e ser um agradável supresa.

Cumprimentos mestre Gonçalo!

Ne-To disse...

É um filme simples mas eficaz. Cumpre todos os objectivos narrativos, não entra em grandes preciosismos.

Excelente fotografia e Eminem, como peixe na água, agarra de forma convincente a personagem.

Cumps

gonn1000 disse...

knoxville: Pois, já sei que também gostaste. Hasta :)

Ne-To: Yup, basicamente é isso...

Gustavo H.R. disse...

8 MILE foi um grande triunfo para Eminem. Não conheço o mundo dos rappers a fundo, nem sequer superficialmente. Não vi o filme, portanto não saberia o que escrever sobre suas anotações à respeito da obra de maior sucesso de público de Curtis Hanson. Talvez tenha sido inteligente a decisão do cantor de não regressar ao mundo od cinema... Ele dificilmente repetiria o feito deste.

Daniel Pereira disse...

Desta vez concordamos. Bom filme, devedor, como bem disseste, dos filmes de ascensão de uma personagem. Costuma chamar-se a essas personagens o "underdog". Lembro-me de dois filmes referência neste aspecto: "Rocky" (1976), de John G. Avildsen e o insuperável "Há Lodo no Cais" (1954), de Elia Kazan.

gonn1000 disse...

Gustavo: Parece que Eminem não volta mesmo tão cedo à sétima arte, se calhar nunca saberemos se conseguiria interpretar outros tipos de papéis. É pena, pois para mim prefiro-o como actor do que enquanto músico.
E em breve veremos se o novo filme de Curtis Hanson - do qual já falaste um pouco no teu blog - será tão bem sucedido...

Daniel: Sim, "underdog" ou "outcast" são termos que assentam bem a este tipo de personagens, mas nunca vi nenhum desses filmes (por isso não vou criticar-te por defenderes o "Rocky" :P).

Anónimo disse...

filmes destes sao um atentado a pessoas apreciadoras da 7ª arte!!! eminem? kem é esse?

gonn1000 disse...

Não é um grande filme, mas para o qualificar como "atentado" teria de ser bem pior. Quanto a Eminem, podes saber mais sobre ele aqui

Anónimo disse...

Cara concerteza eu amei o filme
principamente por que o EMINEM
participa,e claro que o EMINEM é
nao só um ótimo cantor mas tbm
provou que é um ótimo ator tbm
eu só pude assistir apenas uma vez mas adoraria assistir novamente
e eu queria deixar bem claro tbm
EU SOU FÃ NUMERO 1 DO EMINEM
e nao falo bem do filme por esse motivo
mas sim pq eu curti muito!!!!

Anónimo disse...

O EMINEM é um maximo
cara o filme ficou muito loko
eu curti pra caramba
o EMINEM é o cantor,o ator tbm
eu adoro ele pra caramba
é o melhor rapper que conheco
falow !!!!
e eu sou ah rafaloka_rebelde@hotmail.com

Anónimo disse...

Keep up the good work
» »