sábado, abril 07, 2007

UMA CANÇÃO DE AMOR

A comédia romântica tem sido um género que, desde há anos, raramente conseguiu reinventar-se de modo a escapar a uma fórmula já esgotada e cansativa, repetindo personagens e situações-tipo.
Têm havido, mesmo assim, tentativas de fugir a modelos mais óbvios e previsíveis, casos de "Crueldade Intolerável", dos irmãos Coen, revisitação das screwball comedies; "Embriagado de Amor", de Paul Thomas Anderson, que envolveu o género numa secura atípica; ou "A Secretária", de Steven Shainberg, onde o romance deu lugar à obsessão. Exemplos como estes são, no entanto, cada vez mais raros, e geralmente ficam à sombra de objectos mais convencionais e desinspirados.

"Música & Letra" (Music and Lyrics), de Marc Lawrence, pouco tem em comum com os títulos acima referidos, não escondendo tratar-se de um produto mainstream e menos arriscado, mas ainda que não seja um filme especialmente inventivo contém atractivos que o colocam acima da maioria das propostas do género.

O filme começa com o videoclip de um hit de uma banda (fictícia) da década de 80, os POP!, cuja melodia orelhuda e look dos elementos obriga a comparações com uns Wham! ou outros fugazes ídolos teen do mesmo período.
A acção decorre, contudo, no presente, quando um dos membros do grupo, agora extinto, é convidado por uma jovem e popular cantora a escrever a letra de um single. Alex, longe dos momentos de glória de outros tempos, aceita o desafio, embora não revele que nunca escreveu uma canção. O músico quase esquecido acaba por encontrar um inesperado auxílio em Sophie, que substitui durante uns dias a amiga que ia a casa do cantor regar as plantas e cujo inexplorado talento para a criação de letras não passa despercebido a este.

A partir daqui, estão lançadas as bases para que "Música & Letra" cumpra a obrigatória rotina das comédias românticas, o que no caso implica que a parceria profissional do duo se alargue para o campo pessoal se entretanto conseguir superar alguns entraves. O desenlace não vai decerto surpreender ninguém, mas até aí o filme consegue ser minimamente refrescante, mesmo que não invente nada.

O par romântico, constituído por Hugh Grant (que já tinha participado na película anterior do realizador, "Amor sem Aviso") e Drew Barrymore, é uma valiosa opção de casting, pois gera uma assinalável química que ajuda a que alguns lugares-comuns do argumento se tornem desculpáveis.

Grant, na pele de um ídolo dos anos 80 com carreira em fase descendente, não apresenta nada muito distante do seu registo habitual, o que não é necessariamente mau já que o actor é eficaz e tem uma boa noção de timing cómico. Já Barrymore é reluzente na pele de uma idealista e insegura aspirante a escritora, oferecendo um desempenho vincado pela sua habitual espontaneidade e encanto.
Campbell Scott e Kristen Johnston são também sólidas presenças como secundários, e a actriz que se notabilizou pela série televisiva "3º Calhau a Contar do Sol" é mesmo responsável por algumas das cenas mais hilariantes do filme.

Felizmente, os actores são quase sempre servidos por diálogos razoavelmente trabalhados, e mesmo que o trajecto da narrativa se adivinhe o filme não se limita a seguir as peripécias do casal mas aproveita para lançar um curioso olhar à indústria musical, desde o precário reinado dos one-hit wonders às filosofias de algumas divas pop, aqui personificadas na cantora Cora Corman (com óbvias alusões a Jewel, Shakira ou Madonna).

Marc Lawrence não é um realizador particularmente criativo e por isso "Música & Letra" aproxima-se mais da televisão do que do cinema, mas mesmo nunca sendo brilhante o filme é um entretenimento bastante aceitável, onde a despretensão não é sinónimo de ofensa à inteligência do espectador. Longe de obrigatória, é uma proposta simpática, e quem não lhe pedir mais do que isso não dará por perdida a sua hora e meia de duração.


E O VEREDICTO É:
2,5/5 - RAZOÁVEL

Entrevista a Hugh Grant

12 comentários:

Fábio Jesus disse...

Uma comédia romântica normal, formulaica e inofensiva. Salva-se o genial videoclip dos Pop! :)

Abraço.

gonn1000 disse...

Sim, não acrescenta muito, mas tem os seus momentos. Fica bem.

Lid disse...

Com essa crítica, o Hugh Grant nunca mais vai ser simpático contigo numa próxima entrevista! lololol

Bjinhos

gonn1000 disse...

LOL Bem, nem foi assim tão má, acho que fui justo :P

wasted blues disse...

Não fica no top das melhores comédias românticas, mas diverte, oferece bons momentos.

H. disse...

Ainda não vi o filme mas espreitei a tua entrevista. Vai pondo aqui se fizeres mais ;)

gonn1000 disse...

Wasted Blues: Sim, também foi isso que achei, e já não é mau.

H.: Eheh, não me importava de fazer mais, não, até para melhorar em alguns aspectos :)

Kraak/Peixinho disse...

2,5? Naum admira... vi a apresentação do filme e ficou um cheiro a treta no ar...

Ideal para o verão, naum?

Hugzz

gonn1000 disse...

Ou para a Primavera... Enfim, não é um filme particularmente surpreendente, mas é simpático :)

_Loot_ disse...

Nem reparei que havia uma entrevista assumi que era o trailer.
Aposto que preferias ter entrevistado a Drew Barrimore, mas não se pode ter tudo :P

gonn1000 disse...

Enfim, pode ser que um dia destes... :)

Anónimo disse...

O fule é otimo, romantico e com musica dos anos 80 que até hoje toma conta

Marcelo Barsante