domingo, janeiro 22, 2006

GRANDES ESPERANÇAS, RESULTADOS MEDIANOS

Adaptada já várias vezes para cinema – e não só -, “Oliver Twist” é um dos livros mais emblemáticos e intemporais de Charles Dickens, contendo um apelo que atravessou épocas e gerações e que continua a ser fonte de inspiração para novas obras.

Roman Polanski é o nome mais recente a adaptar o clássico do escritor britânico para domínios da sétima arte, mas o resultado fica aquém das expectativas, tendo em conta que provém de um cineasta que gerou títulos seminais como “Chinatown” ou “A Repulsa”.

Embora esteja longe de ser um mau filme, este “Oliver Twist” também não possui atributos que o tornem especialmente marcante, limitando-se a oferecer uma mera ilustração do livro e raramente incorporando uma visão pessoal do realizador.

Polanski proporciona uma película competente, é certo, com uma credível reconstituição de época (tanto nos cenários como no guarda-roupa) e fotografia apelativa que ajuda a consolidar atmosferas cruas e realistas, contudo a narrativa, demasiado convencional e linear, vai perdendo o fôlego e não é capaz de assegurar que o filme se desenvolva com fluidez e consistência.

Durante a maior parte da sua duração, “Oliver Twist” assemelha-se mais às correctas e polidas mini-séries da BBC dedicadas a obras de época do que a um filme que se esperaria de Roman Polanski, exceptuando “O Pianista”, que sendo meritório evidenciava as mesmas limitações (embora ambos sejam francamente mais interessantes do que “A Nona Porta”, esse sim um filme banal e desinspirado).

Barney Clark, que interpreta o pequeno protagonista, é uma segura revelação e consegue fazer com que haja alguns momentos genuínos e comoventes, mas infelizmente estes são escassos e surgem entre cenas demasiado demonstrativas e esquemáticas, que tanto poderiam ser concebidas por Polanski ou por um realizador eficaz mas sem universo próprio.
Leanne Rowe apresenta também um desempenho envolvente na pele da relutante Nancy, assim como o veterano Ben Kingsley que encarna um intrigante Fagin, no entanto nem estas boas contribuições conseguem fazer com que o filme ultrapasse a mediania.

“Oliver Twist” é simpático e sóbrio, mas exigia-se melhor devido ao material-base e ao responsável pela adaptação. O resultado é um filme de que apetece gostar, contudo vale mais por aquilo que pretende transmitir do que pelo que consegue ser, o que é uma pena.
E O VEREDICTO É: 2,5/5 - RAZOÁVEL

8 comentários:

missixty2000 disse...

Ainda não vi este!!Mas já sabia que não foi muito bem aceite pela crítica!!Pena!!Ontem vi o Kungfusão em dvd e gostei bastante.
Depois da crítica da "playboy" espero que dês a tua opinião ao post que fiz do Dick and Jane!!

gonn1000 disse...

Não gostei muito do "Kung Fu Zão", embora tenha algumas cenas com piada.
Ainda não vi "Dick and Jane", nem ser se o vou ver, mas já li o teu post.

Ricardo disse...

Viva,

Sou um grande admirador de Roman Polanski! Mas admito que este filme foi uma enorme desilusão.

Nõ há nada a apontar ao filme no campo técnico e da representação. Mas é daqueles filmes que, mesmo bem feitos, aborrece do início ao fim!

Esperemos que Polanski ainda tenha algo para oferecer no futuro!

Abraço,

gonn1000 disse...

Pois, é bem-feitinho mas falta-lhe chama, pode ser que Polanski esteja mais inspirado no próximo (já está na altura...).

S0LO disse...

O Polanski que me perdoe (porque o "The Pianist" é um dos filmes da minha vida), mas já devo ter visto umas 400 versões do Oliver Twist e pela tua análise parece-me que esta não acrescenta nada de novo. Correcto?

Abraço

gonn1000 disse...

Sim, o filme é um bocado impessoal, não traz mesmo muito de novo à visão de Dickens, mas não desmerece uma espreitadela, mesmo assim.

Scott Arthur Edwards disse...

Join NOW for FREE...

The Quick and FREE Way to Get a SWARM of Visitors to Your Site!

To find out more visit: money making opportunity online site. It successfully exposes FREE information covering Traffic and money making opportunity online related stuff.

Anónimo disse...

best regards, nice info » » »