quarta-feira, janeiro 25, 2006

O FANTASMA APAIXONADO

Quando, em 2000, “O Fantasma” chegou às salas de cinema, deu a conhecer um universo com tanto de particular como de controverso de um dos novos realizadores portugueses, João Pedro Rodrigues.

Alvo de apaixonados elogios e, simultaneamente, de acesos repúdios por parte da crítica, foi capaz de projectar o nome do cineasta a nível internacional e gerar expectativa para o seu trabalho futuro, que se revela agora em “Odete”, a sua segunda e aguardada longa-metragem.

Novamente ambientado em cenários urbanos, o filme é um visceral retrato da solidão e da obsessão, partindo de um quotidiano aparentemente reconhecível mas que se vai transfigurando aos poucos, desenvolvendo atmosferas contaminadas por um realismo cortante onde se vai evidenciando, também, uma considerável bizarria e estranheza.

A morte de um jovem, Pedro, potencia a aproximação do seu ex-namorado, Rui, e de Odete, uma empregada de um supermercado.
Se Rui se deixa envolver numa espiral descendente, não sabendo como reagir à abrupta perda e adoptando um comportamento desregrado, Odete também não fica imune à morte do seu vizinho e revela que está grávida deste, vendo assim satisfeito o seu desejo de ter um filho, o único que alicerça a sua existência.

Arriscado e inquietante, “Odete” mergulha nos domínios mais extremos e inóspitos do âmago humano, centrando-se em duas personagens alienadas e à beira do abismo que testam os seus próprios limites.
Tal como em “O Fantasma”, percorre-se aqui uma parte de Lisboa que raramente é focada no cinema nacional, uma vez que João Pedro Rodrigues foca a melancolia e obscuridade de alguns domínios nocturnos, evidenciando sobretudo retratos relacionados com a cultura gay ou locais de culto, que acolhem e perpetuam a solidão e inadaptação dos protagonistas.

O filme envereda por terreno ardiloso mas consegue manter uma difícil coerência e nunca chega a cair no ridículo, pois embora o sugira a espaços o rumo das personagens é plausível, ainda que desconcertante e insólito.
Os desempenhos dos actores ajudam, já que Ana Cristina de Oliveira não poderia estar mais afastada da imagem de modelo que a celebrizou, encarnando uma Odete simultaneamente letárgica e obstinada, e Nuno Gil, apesar de um pouco menos convincente em alguns diálogos, cumpre no papel de um jovem amargurado que se refugia nos resquícios de um desejo e hedonismo lúgubres.

À semelhança do seu antecessor, “Odete” é uma obra que dificilmente deixará alguém indiferente e que não gerará consensos, mas confirma João Pedro Rodrigues como um nome a seguir e é o melhor filme português desde “Noite Escura”, de João Canijo, apontando novos caminhos para o cinema nacional. Venham mais…
E O VEREDICTO É: 3/5 - BOM

19 comentários:

brain-mixer disse...

Sem querer entrar em polémicas, mas o Alice É o filme do ano...

gonn1000 disse...

Acho que seria o filme português do ano se não houvesse o "Odete", e mesmo assim era-o mais pela fraca concorrência do que pelas suas qualidades (tem algumas, mas também uma considerável dose de limitações).

Kraak/Peixinho disse...

Acreditas que ainda naum vi este filme? :S

gonn1000 disse...

Livra-te de aparecer na próxima jantarada sem o teres visto, rapto-te as pataniscas :P

O Puto disse...

Um filme que me surpreendeu pela positiva, apssar de gostar mais d'"O Fantasma". Até estou a pensar escrever uma resenha no Duelo Ao Sol.

gonn1000 disse...

Mas olha que não sei se este é o filme mais apropriado para putos... :P

O Puto disse...

Shhh! Fui ver às escondidas da minha mãe.

gonn1000 disse...

Convém, porque este também não é o filme mais apropriado para ver com a mãe :S

dinis disse...

eu gostei muito do filme, em especial da fotografia.

o trabalho de actores, esse sim é terrível, com excepção da ana cristina de oliveira.

gonn1000 disse...

Sim, na fotografia, realização e banda-sonora não há nada de errado a apontar, mas o elenco é mesmo um pouco desequilibrado (ainda assim, comparando com outros filmes portugueses, nem está muito mal).

H. disse...

é um filme mto interessante. com uma ideia de base muito poética. o resultado está bom, sem dúvida. achei apenas dispensável a cena final, cm expliquei na mnh análise ha uns tmps..

gonn1000 disse...

Acho que a cena faz sentido, embora já muitos a tenham criticado, mas sim, poderia terminar da mesma forma como começou que também não seria um mau desenlace.

ana disse...

Também ainda não vi este filme, mas não quero perdê-lo...

gonn1000 disse...

Ainda estás a tempo :)

Kraak/Peixinho disse...

Entao a proxima janta naum é polvo? :S Está visto que tenho que ir ver este filme a correr :S

Hugžž sem pataniscas

gonn1000 disse...

Sei lá o que é a ementa da próxima janta, é uma questão polémica, não comento :P
Quanto ao filme, acho que vale a pena arriscares.

Flávio disse...

Adorei o filme e concordo a 200% quando dizes que o realizador JPR nunca cai no ridículo. Acho que é um filme kitsch, que anda deliberadamente na fronteira entre a arte e o mau-gosto. E isto, acho eu, é um upgrade relativamente ao Fantasma.

Outra coisa: achei a segunda parte um tudo nada fraquita, mas tudo bem, porque o segundo acto de um guião é sempre o mais difícil de escrever. Lembro-me que nessa altura pensei com os meus botões «se o JPR não arranja um grande final, o filme está perdido». Pois bem, acho que a minha intuição estava correcta, porque aquele desfecho é realmente qualquer coisa de incrível. Goste-se ou não, é indiscutível que o filme termina em alta.

Flávio disse...

E mais uma coisa: se virem o filme, reparem na sequência do velório, que é, toda ela, excelente.

gonn1000 disse...

Sim, tem uma aura algo kitsch, por vezes a lembrar Almodóvar ou Fassbinder, e na segunda parte houve momentos em que pensei que o filme descarrilasse, mas felizmente não chegou a acontecer. E sim, o final pareceu-me apropriado, embora algo bizarro.