terça-feira, outubro 25, 2005

UMA FÁBULA SEM MAGIA

Terry Gilliam é daqueles realizadores a quem não falta uma obra singular e que é, para muitos, objecto de culto e devoção, como os seus trabalhos com os míticos “Monty Python” ou filmes emblemáticos como “Brasil” ou “12 Macacos” podem confirmar. Contudo, apesar de ser uma referência em domínios de cinema surreal, fantasioso e irreverente, Gilliam possui também um igual número de detractores, que colocam mais reservas ao seu estilo único.

“Os Irmãos Grimm” (The Brothers Grimm), a sua nova proposta, evidencia que o seu universo – visual, sobretudo - continua peculiar e envolvente, mas exibe também uma desorganização de ideias semelhante à que debilita muitos dos seus filmes.

Centrando-se nas peripécias dos conhecidos criadores de contos de fadas, a película segue o percurso de Will e Jake Grimm, dois jovens irresponsáveis e aventureiros que simulam a existência de criaturas assombradas, assustando a população de pequenas localidades e recebendo dinheiro para as afugentar.

Este engodo mantém-se até ao dia em que, devido às provas de competência que já deu, a dupla é convocada para descobrir o motivo do desaparecimento de várias jovens de uma aldeia que, ironia das ironias, foram raptadas por misteriosos seres de uma floresta amaldiçoada.

Embora possua um ponto de partida minimamente intrigante, “Os Irmãos Grimm” desilude ao raramente conseguir gerar uma combinação convincente entre a comédia (pouco entusiasmante) e o fantástico, elementos mal geridos que não despoletam a energia que se esperaria.

Com um argumento hesitante e fragmentado, repleto de cenas inconsequentes e monótonas, o filme demora a conquistar, e apenas oferece pontos de inspiração na conseguida recriação de época, no sólido guarda-roupa e na apelativa fotografia. Mas isto é apenas o mínimo que se exige a Terry Gilliam, que já provou ser muito seguro na vertente visual e aqui volta a confirmar essa aptidão, proporcionando absorventes atmosferas góticas com alguma bizarria (ainda que algo encostadas a Tim Burton ou Jean-Pierre Jeunet).

Os actores, infelizmente, não têm grandes personagens para defender, e talvez por isso os seus desempenhos sejam tão estranhamente cabotinos (o que até é capaz de ser intencional), em particular o de Matt Damon, bem menos magnético do que aquilo a que nos habituou.
Heath Ledger está um pouco melhor, compondo a metade mais interessante da dupla e irradiando um curioso deslumbramento que irá determinar os contornos de fábula que esta aventura acabará por adoptar.

Esticando-se desnecessariamente por duas horas, “Os Irmãos Grimm” só se torna encantatório já nas cenas finais, quando os (anti)heróis invadem o castelo da malévola rainha (Mónica Bellucci num papel que não pede mais do que beleza e altivez), momentos em que conseguem suscitar alguma empatia e protagonizar sequências empolgantes, com a carga de magia e ritmo eficaz que faltam a grande parte do filme.

Aí, nesses últimos trinta minutos, percebe-se aquilo que Gilliam é capaz de fazer, mas não é um desenlace esforçado e razoavelmente empolgante que salva uma película mortiça com uma narrativa demasiado episódica e irregular. O resultado é, então, uma irremediável mediania…
E O VEREDICTO É: 2/5 - RAZOÁVEL

17 comentários:

S0LO disse...

De facto as críticas não o favorecem muito...

Abraço cinéfilo

gonn1000 disse...

Pois, mas ainda assim há quem goste. Não foi o caso por estes lados...

Nic disse...

mas tem uma rainha ma' toda boa
;)

brain-mixer disse...

Gilliam só precisa de um sucesso comercial.

gonn1000 disse...

Nic: Sim, mas uma rainha má - ainda que "oda boa" - não faz necessariamente um bom filme :)

Brain-Mixer: Pois, já está mais do que na altura de ter um...

Gustavo H.R. disse...

Não foi hoje que Gilliam lançou um novo produto ao nível de BRAZIL. Só pelo trailer dava para antecipar algumas das reclamações constantes daqueles que não gostaram. Não fui aos cinemas conferir este filme, assim como a maioria.

gonn1000 disse...

Pois, acho é melhor deixares para ver em DVD. Ao contrário d'"A Intérprete", não creio que seja filme para se ver no cinema :P

Francisco Mendes disse...

Gilliam foi subtraído no seu manancial imaginativo por produtores com a mania que são geniais editores/realizadores, e o resultado final é um filme superior a muitos detritos hollywoodescos, mas com uma lancinante ausência da enorme alma cinematográfica de Terry Gilliam.

gonn1000 disse...

Já tinha lido a tua análise e desta vez parece que não divergimos muito...

Flávio disse...

Mais uma vez, 100% de acordo. O Gilliam é um belíssimo pintor, mas não sabe escrever uma história de jeito.

gonn1000 disse...

O argumento não é mesmo dos mais cativantes, mas o filme vê-se, ainda assim...

missixty2000 disse...

Só razoável??É mau sinal quando dizes isso....

O Puto disse...

Não é um filme genial, nem o melhor de Terry Gilliam, mas valeu bem a pena o dinheiro que dei.

gonn1000 disse...

missixty2000: Não chega a ser propriamente mau, mas também não é um filme que recomende.

O Puto: Eu acho que vale quase metade do preço do bilhete, mas ainda bem que não saíste defraudado :)

Turat Bartoli disse...

Foi mesmo pena o filme ter sido "co-dirigido" pelo raio dos produtores avarentos, mas mesmo assim valeu a pena. O virtuosismo visual é impresionante embora esteja acompanhado de 1 resolução de conteúdo e personagens demasiado convencional. É uma aceitável experiência lúdica. Razoável sim, mas o meu vale ***:P

Cumps

gonn1000 disse...

Sim, funciona minimamente enquanto objecto lúdico, mas isso não o torna num bom filme (3/5). Enfim, critérios... :P

Scott Arthur Edwards disse...

NEW Space Age Technology. This is a NEW Revolution and YOU Must Check this Out!!! Can You Really Take a FREE Picture of Yourself Without a Camera? This is Amazing... "This is a very simple and safe process- Your monitor puts off a magnetic field, this software enables your computer to detect the reflection of the field. This is just as safe as using your monitor everyday".
Click here: FREE PICTURE WITHOUT A CAMERA