sexta-feira, novembro 18, 2005

O CLUBE DOS DIVORCIADOS

À partida, quando se entra numa sala de cinema para ver um filme intitulado “Mulher com Cão Procura Homem com Coração” (a inacreditável tradução para Must Love Dogs), as expectativas não serão as mais elevadas, uma vez que este aparenta ser mais uma comédia romântica feita a regra e esquadro e que promete ser pouco mais do que um compêndio de clichés.

E o facto é que, à saída, a impressão que fica é precisamente essa, um filme ligeirinho, que não arrisca e que pretende apenas suscitar alguns sorrisos. Contudo, e apesar da sua considerável previsibilidade, “Mulher com Cão Procura Homem com Coração” consegue apresentar algum encanto, uma vez que a sua saudável despretensão a torna numa obra simpática, ainda que limitada e sem grande frescura.

Debruçando-se sobre os dilemas de uma mulher divorciada e solitária, que mesmo com o auxílio da família não consegue sedimentar um relacionamento próspero, o filme aborda o desencanto amoroso dos dias de hoje e as dificuldades das relações, centrando-se em personagens que tentam (re)encontrar o amor mas que parecem condenados ao insucesso nesse campo.

No entanto, sendo este um feel-good movie, aos poucos a esperança começa a sobrepor-se à desilusão e pessimismo, e apesar dos habituais entraves ninguém duvida de qual será o desenlace.
Inovação não se encontra, portanto, por aqui, mas “Mulher com Cão Procura Homem com Coração” eleva-se – pelo menos parcialmente – acima da banalidade devido às interpretações do duo protagonista, Diane Lane e John Cusack, que oferecem desempenhos com carisma e espontaneidade, ainda que as suas personagens não sejam particularmente exigentes ou originais.

A química do par central compensa a escassa criatividade da realização Gary David Goldberg, que proporciona um trabalho competente mas sem chama, idêntico ao de tantos outros tarefeiros e próximo de um registo televisivo (de resto, a maior parte dos projectos anteriores do realizador foram mesmo para a televisão).

Felizmente, mesmo sendo rotineiro, o filme não cai num sentimentalismo embaraçoso nem num humor de latrina, mantendo sempre alguma classe e subtileza mas pecando por ser demasiado linear e formatado.

Longe de essencial, “Mulher com Cão Procura Homem com Coração” é contudo uma película agradável, que embora não tenha o toque de génio de um “Elisabethtown”, de Cameron Crowe, também não chega a ser um deserto de ideias como “Casei com uma Feiticeira”, de Nora Ephron, outros títulos de 2005 que assentam nos códigos da comédia romântica.
Dificilmente mudará a vida de alguém, mas é um aceitável entretenimento para uma tarde de inércia, de preferência em frente à TV.
E O VEREDICTO É: 2,5/5 - RAZOÁVEL

8 comentários:

Daniel Pereira disse...

Mesmo ninguém foi ver isto ao que parece... tudo a fugir do "guilty pleasure"...

gonn1000 disse...

Cambada de preconceituosos! Em compensação, decerto estará no teu top 10 do ano, mas talvez não no oficial.

Daniel Pereira disse...

Estás sempre a meter-te comigo por eu ter gostado. Ainda não reparaste que gostaste mais do que eu?

gonn1000 disse...

Calma, calma, não te preocupes que eu não conto a ninguém :P

H. disse...

John Cusack já nos habituou a este gémero de filmes e consegue estar sempre encantador por mais banal que soe o argumento :)
De facto este filme não traz nada de novo ao género da comédia romântica mas o que nos dá está bem dado e, acima de tudo, conta com grandes nomes interpretando de forma convincente as suas personagens (como não mencionaste uma hilariante Stockard Channing?).
Claro que, cm disseste, "Elizabethtown" é muito superior. Mas este ñ está tão mau cm o pintaram...

gonn1000 disse...

Pois, nem mau nem bom, é daqueles que se vê bem uma vez mas não deixa grandes saudades.

luisa disse...

vejam o filme "Não és tu, sou eu", tirem conclusões. :)

gonn1000 disse...

Não o vi, não, mas se me aparecer à frente não me desvio.