quinta-feira, novembro 10, 2005

DEPOIS DOS 20, ANTES DOS 30

Depois de, em 2002, o bem-sucedido e muito acarinhado “A Residência Espanhola” ter apresentado uma perspectiva vibrante e envolvente sobre os dilemas da juventude europeia, Cédric Klapisch regressa agora com um novo olhar sobre as personagens que tornaram esse título numa marcante obra de culto.

“As Bonecas Russas” (Les Poupées Russes) volta a seguir o dia-a-dia de Xavier, que agora já não vive uma atribulada experiência em Barcelona através do programa universitário Erasmus mas tenta desenvolver um percurso profissional como escritor em Paris, mesmo que quase só seja solicitado para trabalhos pouco prestigiantes.

O filme centra-se no seu protagonista de forma mais vincada do que o seu antecessor, o que implica que Klapisch faça escolhas quanto às personagens com que este se relacionará de forma mais aproximada e reduzindo assim parte do elenco multicultural d’“A Residência Espanhola” a meros figurantes, com uma presença algo dispensável e meramente decorativa.

Se este factor retira algum do carisma, uma vez que a saudável pluralidade dá lugar a um argumento mais agarrado ao protagonista, também acaba por expor uma maior concisão e permite o despoletar de uma densidade emocional mais considerável, ainda que o filme seja essencialmente leve, acessível e imediato.

Cosmopolita, irónico e divertido, “As Bonecas Russas” consegue ser uma cativante experiência cinematográfica ao proporcionar um realista e palpável relato sobre os encantos e desencantos do crescimento, focando agora não o fim da adolescência mas a alvorada da idade adulta, e apesar das personagens terem envelhecido cinco anos o rumo das suas vidas continua tão indefinido e volátil como o dos tempos universitários.

Apostando num ritmo dinâmico que origina uma narrativa fluida e apelativa, Klapisch oferece também, no entanto, alguns momentos de um absorvente intimismo, mergulhando no âmago das personagens e nas inquietações por detrás da sua aparente energia e vivacidade.

Ora aproximando-se dos cânones da comédia romântica (mas fugindo ao facilitismo), ora enveredando por domínios do road movie, contendo ainda uma lógica de filme-dentro-do-filme (através dos ocasionais momentos que seguem as histórias escritas por Xavier), “As Bonecas Russas” alterna seriedade (nos diálogos do par central, por exemplo) com sátira (as piscadelas de olho à ficção televisiva) e essa mistura revela-se consistente e inventiva.

Entre Paris, Londres e São Petersburgo, são abordadas questões como as dificuldades das relações amorosas, as incertezas da vida profissional, as orientações sexuais, a relevância da amizade e da família, os contrastes de culturas ou o crescimento e a (falta de) maturidade, temas que já se destacavam n’“A Residência Espanhola” mas que ganham aqui um novo fôlego.

Mesmo estando um pouco abaixo desse primeiro capítulo – o factor surpresa não é tão elevado - “As Bonecas Russas” conta com um elenco igualmente coeso (Romain Duris e Kelly Reilly estão especialmente inspirados), uma montagem e argumento não menos criativos e uma banda-sonora que, mais uma vez, assenta na perfeição (agora a grande canção não é “No Surprises”, dos Radiohead, mas a belíssima “Misteries”, de Beth Gibbons).
Pode não ser um dos filmes essenciais de 2005, mas é um dos mais irresistíveis, e quem procurar uma proposta simultaneamente lúdica e inteligente tem aqui um título de visita obrigatória. Boas viagens.
E O VEREDICTO É: 3,5/5 - BOM

7 comentários:

Kraak/Peixinho disse...

Aguardo (ansioso) pela tua opinião.

Hugzz russos

gonn1000 disse...

Já aí está :) Cya

Nic disse...

Ora aqui esta' o sequel dum filme que bem o merecia!

Pressuponho que tal como no "Before the Sun Rise" e "Before the Sun Set", a maturidade dos personagens e os temas abordados sao resultantes da passagem do tempo entre os dois filmes!
Se e' assim, e' optimo, o cinema a retratar a vida real em tempo real!

Um aspecto que o primeiro filme promoveu, talvez devido 'a epoca em que saiu, foi que a diversidade europeia era uma curte!
E neste filme, ha alguma mensagem politica relativamente 'a UE?

Ja' agora um comentario ao teu comentario de os personagens estarem tao perdidos nas incertezas da vida como no filme anterior - penso que se houver um 3o sequel (na casa dos 30's) ou ate' 4o (na casa dos 40's), os personagens estaro sempre perdidos em novas incertezas...
e' a vida dos dias de hoje a puxar por nos, quando os modelos (formas) convencionais se puseram em causa, optando-se pelo individualismo!

gonn1000 disse...

Sim, a comparação com esse díptico faz sentido, embora o espaço entre o primeiro e segundo capítulo não seja aqui tão alargado. De qualquer forma, faz um interessante retrato da "vida real em tempo real".
A relação do filme com a diversidade cultural europeia não difere muito da do anterior, o eclectismo volta a ser saudado e as personagens deslocam-se ainda com mais facilidade entre vários locais díspares (ou já nem tanto), estabelecendo a proximidade entre fronteiras.
Quanto a sequelas, se mantiverem este nível serão bem-vindas :)

Mafalda Azevedo disse...

Hello!

Vale assim tanto a pena ver este Bonecas Russas? Nunca fui grande admiradora do Residência Espanhola, achei-o aborrecido e cheio de banalidades...

gonn1000 disse...

Bem, se não gostaste d'"A Residência Espanhola" então provavelmente este também não te agradará muito, embora seja um pouco mais adulto e menos irreverente.

Scott Arthur Edwards disse...

Hey, you have a great blog here! You really are very talented and deserve an honest compliment, congratulations! I'm definitely going to bookmark you!

I have a top home-based business site/blog. It successfully covers top home-based business related stuff.

Come and check it out if you get time, Scott.