domingo, janeiro 07, 2007

MORTE AO SEGUNDO DISCO?

No seu álbum de estreia, "Hot Fuss", de 2004, os Killers recuperaram elementos de bandas britânicas como os Duran Duran, New Order ou Smiths, recontextualizando-os em canções de travo contemporâneo mas de indiscutíveis contornos eighties.
Ao segundo disco, "Sam's Town", a banda de Las Vegas reclama influências da mesma época, mas desta vez norte-americanas, aspirando paralelismos a registos de Bruce Springsteen editados nesse período. Esta alteração na sonoridade foi acompanhada, de resto, por uma mudança de look, que não se percebe muito bem se é suposto ser paródico (veja-se o bigode do vocalista Brandon Flowers, o pormenor mais kitsch da sua nova imagem).

O que também não se compreende ao certo se pretende ser paródico é o álbum, que nos melhores momentos nem lembra tanto as canções do Boss mas antes dos U2 de meados de 80 e, nos piores (e não são tão poucos como isso), aproxima-se dos momentos mais duvidosos de uns Queen ou mesmo dos maneirismos de um Meat Loaf.

O problema é que a banda parece querer ser levada a sério, como o evidencia a pretensão conceptual do disco. Desde canções intituladas "Enterlude" (estranhamente, o segundo tema) ou "Exitlude" até à abordagem de temáticas religiosas ou de uma certa identidade americana, não falta pompa a "Sam's Town", mas seria preferível que o grupo mantivesse a postura despretensiosa do primeiro disco em vez de procurar uma densidade que não tem capacidade para abordar.

Em vez de grandioso, o álbum soa apenas balofo e excessivo, não sendo por isso a produção de Flood e Alan Moulder que consegue disfarçar o esquematismo da maioria das composições. Os sintetizadores, recurso recorrente no registo de estreia, cedem o protagonismo a guitarras sem sinais particulares, e a voz de Brandon Flowers reforça o tom melodramático, mas só a espaços é capaz de evocar algum sentido de urgência.

Isto faz de "Sam's Town" um mau disco? Nem por isso, assim como "Hot Fuss" também não era uma obra brilhante, mas pelo menos possuía maior sensibilidade pop, sobretudo em duas ou três canções de quilate superior como a frenética "Somebody Told Me" ou esse hino chamado "Mr. Brightside". O mesmo nível nunca é atingido aqui, o que não invalida que não se encontrem pontuais bons momentos, como o comprovam o eficaz primeiro single "When You Were Young", o catchy "Read My Mind" ou o promissor tema-título, curiosamente os mais próximos dos ambientes do registo de estreia.

Mas ouvir "Sam's Town" do início ao fim torna-se extenuante e a recta final é particularmente desinspirada, com um lote de temas que já seria arriscado escolher para lados-b, atirando os Killers para uma terra de ninguém e adicionando-os à lista dos que sofrem do sídrome do "difícil segundo álbum". Resta desejar-lhes melhoras rápidas.

E O VEREDICTO É:
2,5/5 - RAZOÁVEL

The Killers - "When You Were Young"

16 comentários:

miguel disse...

Morte, não. Eles nunca estiveram foi tão vivos!

Anónimo disse...

Também não achei este disco tão bom como o anterior. Salvam-se apenas umas 3 ou 4 músicas.

gonn1000 disse...

Até o Tim Burton parece concordar, basta ver o videoclip dos esqueletos :P

gonn1000 disse...

Joana C.: Sim, não é um falhanço total mas também não convence por completo.

Spaceboy disse...

O single deles fez-me não querer ouvir o disco. Apesar de gostar do videoclip do "Bones", a música é que nem por isso. E o bigode do senhor tem muito estilo.
Talvez um dia ainda oiça o disco, até porque o Hot Fuss tem alguns bons momentos, como o belo single que é o "Mr. Brightside".

gonn1000 disse...

És capaz de encontrar dois ou três canções de que gostes por aqui, mas não esperes muito mais.

Anónimo disse...

Não conhecia esses mecos, vou dar uma olhadela. boa semana.

gonn1000 disse...

Então é capaz de ser melhor começares pelo primeiro disco, o segundo é menos prioritário. Boa semana.

Kraak/Peixinho disse...

SOS! A única coisa que se safa no 2º álbum é um tema chamado "For Reasons Unknown" que, na minha opinião, é o que mais se pode assemelhar ao elenco do álbum 'Hot Fuss'.

Hugzz à espera do 3º lá para 2009

gonn1000 disse...

Sim, esse e "Read My Mind" são os mais parecidos com os temas de "Hot Fuss". Espero que em 2009 não continuem a descer senão ainda acabam a soar, sei lá, aos Keane :S
Fica bem :)

kimikkal disse...

Penso que se este fosse o primeiro disco talvez a minha opinião não fosse tão má.

Mas também se este fosse o primeiro disco provavelmente continuariam a tocar para os amigos.

Gostei de When We Were Young. Do resto do disco...dispenso.

gonn1000 disse...

Ouve-se, por vezes é interessante, mas no geral esquece-se facilmente. Espero que no próximo recuperem.

Anónimo disse...

Já tens 25 anos, não era altura de deixares de escrever baboseiras? Falas de um bigode como se fosse a única faceta kitsch dos Killers, parece que nunca sequer ouviste a música deles, por amor de Deus!

gonn1000 disse...

"veja-se o bigode do vocalista Brandon Flowers, o pormenor mais kitsch da sua nova imagem"

Não sabes ler ou isso é só mau feitio?

membio disse...

eu tb não gostei muito deste último album, e o videoclip dos esqueletos até não tá assim grande espiga... tb com o nome "the Killers", como é que eles esperavam sobreviver assim tanto tempo :P -- - mataram-se a si próprios lol .. pronto poderei estar a exagerar um pouco, mas vamos a ver se se esforçam um bocadinho mais para o próximo albúm...

gonn1000 disse...

Esse videoclip (da "Bones"), mesmo sendo do Tim Burton, também não me causou grande impressão, mas espero que a banda sobreviva se conseguir voltar a fazer bons discos.