quarta-feira, outubro 05, 2005

VÔOS DA MEIA-NOITE

Destacando-se pela sua competente filiação no género do terror - originando títulos marcantes como "Pesadelo em Elm Street" ou "Gritos" -, Wes Craven não tem gerado, nos últimos anos, projectos que reproduzam a boa recepção de público e de crítica que alguns dos seus títulos mais emblemáticos despoletaram (os mais recentes "Melodia do Coração" e "Cursed" decretaram, para muitos, o declínio do cineasta).

"Red Eye", o seu novo filme, junta dois dos jovens actores mais promissores de Hollywood, Rachel McAdams (que integra o elenco da mediática comédia "Os Fura-Casamentos") e Cillian Murphy (com provas dadas em "28 Dias Depois", "Intervalo" ou "Batman: O Início"), e herda características da série-B ao apostar em modestos meios de produção, num argumento simples e numa narrativa escorreita, oferecendo um concentrado de thriller onde o terror habitualmente associado ao realizador é sobretudo psicológico.

A película centra-se num dos muitos vôos nocturnos (conhecidos como red eye), em particular em dois dos seus passageiros: Lisa, uma jovem gerente de hotel, e Jackson, um simpático e atraente colega de vôo com quem trava conhecimento.

Apesar dos momentos iniciais entre os dois protagonistas serem leves e divertidos, marcados por uma aparente empatia mútua, essas primeiras impressões não se comprovam como as mais fidedignas pois Jackson revela a Lisa que o seu encontro nada teve de casual, uma vez que ela faz parte, ainda que não o saiba, de um intrincado plano para eliminar um elemento do governo americano.
Para que a missão de Jackson seja bem sucedida, Lisa terá de seguir uma série de instruções, e caso se recuse a fazê-lo o seu pai será morto.

Durante uma considerável parte do filme, Craven consegue fazer com que esta premissa resulte, uma vez que a relação que os dois protagonistas desenvolvem durante a viagem de avião contém doses suficientes de imprevisibilidade e tensão, desencadeando cenas intrigantes e claustrofóbicas onde cada minuto conta e qualquer interferência (nomeadamente a de outros passageiros) poderá ser decisiva.

Executando um hábil exercício de estilo, equilibrando bem a gestão do suspense e assinalando uma sólida direcção de actores (Cillian Murphy acentua a presença inquietante exposta em "Batman: O Início" e Rachel McAdams surpreende combinando carisma e vulnerabilidade), o realizador proporciona um apropriadamente desconfortável vôo pleno de intensidade.

Infelizmente, a consistência do filme decresce abruptamente nos últimos vinte minutos, quando as personagens saem do avião e a acção pouco mais faz do que limitar-se a seguir os estafados clichés dos famigerados slasher movies, na linha dos muitos subprodutos que se inspiraram na trilogia "Gritos".

Assim, em vez de um desenlace vertiginoso que se esperava, "Red Eye" termina de forma pouco verosímil e ainda menos inspirada, e quem sofre com isso, para além do espectador, são os dois protagonistas, que perdem os traços de credibilidade que mantinham até então e tornam-se em meros joguetes descaracterizados (a personagem de Murphy é a mais debilitada, passando de soturna a patética).

Os momentos finais do filme não chegam a arrasá-lo por completo, mas é pena que boas sequências de suspense fiquem assim subaproveitadas numa película que, apesar de possuir bons ingredientes, fica presa a uma desapontante mediania.
Em todo o caso, "Red Eye" é ainda uma interessante experiência cinematográfica, mesmo que nunca atinja os altos vôos que algumas das suas cenas sugerem...

E O VEREDICTO É: 2,5/5 - RAZOÁVEL

10 comentários:

Daniel Pereira disse...

É pena. Pode ser que o homem volte à ribalta, talento tem e vê-se até aos últimos vinte minutos.

Francisco Mendes disse...

O filme promete imenso com uma parte inicial meticulosamente tensa, mas acaba por descambar numa resolução simplista e óbvia. É daqueles filmes que depois de terminar e termos tempo para respirar, nos apercebemos do quão estúpida é a história. É pena... pois Craven até a fez resultar durante algum tempo.

gonn1000 disse...

Daniel Pereira: Yup, maybe next time...

Francisco Mendes: Pois, o argumento tem algumas fraquezas que até passam despercebidas durante algum tempo mas que são depois mais visíveis devido ao final apressado.

S0LO disse...

Realmente as críticas não tem sido muito boas. Estava á espera de um filme melhor, vindo de quem vem.

Cumps. cinéfilos

gonn1000 disse...

Também eu, mas ainda se aproveitam alguns momentos, mesmo assim...

Ricardo disse...

Viva,

Red Eye é um filme agradável mas não é um murro no estomago. está bem feito mas não é visceral como Carpenter ou Cronenberg. Wes Craven é excelente em reinventar constantemente o género mas não gosto muito que os seus filmes arrisquem pouco e que raramente experimentem os limites do terror...

Abraço,

http://filhodo25deabril.blogspot.com/2005/09/570-sala-de-cinema-red-eye.html

O Micróbio disse...

Costuma-se dizer que "quem te avisa teu amigo é"... obrigado amigo!

brain-mixer disse...

O craven nunca foi de meter muito medo mas sim de criar suspense!

gonn1000 disse...

Ricardo: Arrisca pouco, de facto, o desenlace é muito formatado...

Micróbio: Ora essa :)

Brain-Mixer: Aqui cria suspense, mas não consegue mantê-lo da melhor forma até ao final...

Scott Arthur Edwards disse...

Here it is... FREE advertising, FREE download. No cost to you! Get your FREE download NOW! Make money and get FREE advertising! This is a great program for you to take advantage of... Check this out now for FREE!

To find out more visit: making easy money online site. It successfully exposes FREE information covering traffic and making easy money online related stuff. Don't forget, FREE, FREE, FREE!!!