sexta-feira, abril 21, 2006

POESIA NO ESPAÇO

Há várias décadas, um grupo de extraterrestres oriundos de um planeta submerso chegou à Terra mas, devido às sua fisionomia ser idêntica à dos humanos e de não constituírem uma ameaça para estes, encontraram aqui um novo lar, passando despercebidos junto da maioria dos terráqueos.
No entanto, até mesmo a Terra parece já estar a tornar-se um planeta em risco, colocando em causa a sobrevivência dos seus habitantes, o que leva uma equipa de astronautas a partir para o espaço à descoberta de um novo local habitável.

Este é o mote de “The Wild Blue Yonder”, uma invulgar mistura de falso documentário e ficção científica proposta por Werner Herzog, o realizador alemão que por cá gerou algum interesse devido a “Grizzly Man”, de 2005 (que também tentava alargar o espectro do cinema documental).

Intrigante e inclassificável, o filme é narrado por um dos extraterrestres, que após uma chegada pouco auspiciosa à Terra se encontra a trabalhar para a CIA e orienta o espectador durante esta estranha experiência.

Combinando entrevistas, episódios do quotidiano dos astronautas, imagens de arquivo e sequências debaixo de água, “The Wild Blue Yonder” vale sobretudo pela originalidade desta fusão e não tanto – e infelizmente - pelos resultados que daí decorrem.

Há momentos com um inteligente sentido de humor - quase todos centrados no extraterrestre loser e resignado que conduz a acção -, assim como pontuais sequências impressionantes captadas no fundo do oceano, com um impacto visual a que é difícil resistir, contudo estas situações são fugazes momentos de interesse de um filme que não consegue conciliar uma pretensiosa vertente clever com cenas de um suposto teor poético e reflexivo.

A banda-sonora criada pelo violoncelista de jazz Ernst Reijseger torna-se repetitiva, e a narrativa, ultrapassado o factor-surpresa inicial, desenvolve-se com um ritmo sonolento e preguiçoso, tornando “The Wild Blue Yonder” num exercício auto-indulgente, com tanto de ousado como de falhado.

E O VEREDICTO É: 1,5/5 - DISPENSÁVEL

3 comentários:

H. disse...

lendo a tua crítica soava a coisa boa, mas terminas a arrasar com o filme e a classificação é péssima... apesar de tudo, fiquei com pena d ñ o ter visto ao ler o q escreveste ;)

gonn1000 disse...

Bem, é uma proposta original, mas desenvolvida de forma atabalhoada. Houve quem gostasse, o filme foi muito aplaudido no final.

Scott Arthur Edwards disse...

Here it is... FREE advertising, FREE download. No cost to you! Get your FREE download NOW! Make money and get FREE advertising! This is a great program for you to take advantage of... Check this out now for FREE!

To find out more visit: home-based internet business site. It successfully exposes FREE information covering traffic and home-based internet business related stuff. Don't forget, FREE, FREE, FREE!!!