quinta-feira, agosto 25, 2005

SANGUE POR SANGUE

Com uma filmografia aclamada, onde constam títulos como "Rainha Margot" ou "Intimidade", Patrice Chéreau tem vindo a destacar-se, nas últimas décadas, como um cineasta capaz de proporcionar interessantes olhares sobre o âmago das relações humanas em películas de considerável carga dramática.

"O Seu Irmão" (Son Frère), de 2003, volta a atestar a sua perspicácia na abordagem de questões nucleares, oferecendo um olhar acerca da relação de dois irmãos que, após alguns anos de escassos contactos, voltam a reatar a sua relação devido a um súbito infortúnio.

Depois de lidar durante algum tempo com uma recém-descoberta doença sanguínea sem a revelar à sua família, Thomas decide divulgá-la ao seu irmão mais novo, Luc, com quem já só contactava esporadicamente. Orgulhoso e de temperamento difícil, Thomas torna-se cada vez mais impaciente e nervoso à medida que se apercebe que o seu estado dificilmente melhorará, e assim vai-se apoiando, cada vez mais, em Luc, reforçando uma ligação conturbada mas afinal essencial e determinante para ambos.

Se em "Quem Me Amar Irá de Comboio" Chéreau focava as dores do luto e em "Intimidade" as interligações entre o amor, o sexo e a solidão, em "O Seu Irmão" a acção centra-se no contacto com a doença e os seus efeitos, tanto a nível físico como emocional. No entanto, tal como nesses títulos, o cineasta baseia-se na ideia central e alarga-a, interligando-a com as contrariedades dos laços familiares, a complexidade das relações amorosas ou a ambiguidade sexual.

"O Seu Irmão" não é um filme fácil nem agradável, mas quem conseguir aguentar a sua crueza será recompensado com uma poderosa experiência cinematográfica, que recorre a um realismo cortante e a um olhar sóbrio, dispensando golpes melodramáticos estridentes e manipuladores (muito longe, portanto, de um vulgar telefilme "caso-da-vida").

A realização de Chéreau gera apropriadas atmosferas lúgubres e clínicas, que aliadas a um ritmo pausado, a uma fotografia seca e uma banda-sonora discreta (a única canção presente é “Sleep”, de Marianne Faithfull) contribuem para que o filme contenha uma estranha aura doentia, muitas vezes difícil para o espectador mas bastante verosímil.

Contudo, mais do que a cinematografia, o grande trunfo do filme são mesmo as excelentes interpretações, sobretudo as dos dois protagonistas. Seria difícil escolher actores mais credíveis do que Bruno Todeschini – que, no papel de Thomas, irradia uma convincente revolta e fricção emocional devido ao seu estado de saúde – e Eric - Caravaca – que, encarnando Luc, emana uma calma, altruísmo e ponderação contrastantes com a recorrente tensão do irmão.

A forma como Chéreau retrata a interdependência das duas personagens é notável e comovente, e a energia e vibração do duo protagonista envolve mesmo quando algumas cenas são demasiado longas e redundantes (com certos momentos excessivamente expositivos). De resto, os laços entre Thomas e Luc acabam por sobrepor-se a quaisquer outros que ambos possuem com outras pessoas, nomeadamente à relação com os seus companheiros, Claire e Vincent, respectivamente.

Intenso e claustrofóbico, "O Seu Irmão" é uma obra que, apesar de irregular (prejudicado, principalmente, por uma narrativa um pouco dispersa), é mais um recomendável título da filmografia de Patrice Chéreau e um dos bons dramas que o cinema francês ofereceu recentemente. Dificilmente será para todos os gostos, mas merece ser (re)descoberto.

E O VEREDICTO É: 3/5 - BOM

15 comentários:

Gustavo H.R. disse...

Qual a reputação de Cheréau como cineasta na França?

gonn1000 disse...

Não sei ao certo, mas penso que é um realizador estimado.

S0LO disse...

Hum...não conheço muito do realizador, mas vou investigar.

Cumps. cinéfilos

João M disse...

Eu gostei muito. Estava mesmo para não ir ver, mas à última hora decidi-me. Ainda bem que me lembraste!

gonn1000 disse...

SOLO: Ide, ide que vale a pena...

João: Boa, já vi que te deixou inspirado :)

O Micróbio disse...

“Son Frère” não é sobre o que o cinema por vezes também deveria ser. É sobre o que a vida, muitas vezes, também é.

gonn1000 disse...

Sim, mas isso também é o que o cinema muitas vezes deveria ser :)

FDV disse...

parece-me uma interessante sugestão.

bom texto.

cumprimentos.

gonn1000 disse...

Obrigado :)

Fica bem ()

brain-mixer disse...

Não conheço. Desconheço. Estou ignorante. Desculpem...

gonn1000 disse...

Wow, então, a tua auto-estima foi atacada?? Calma...

brain-mixer disse...

É que fiquei desiludido comigo, há coisas que me escapam! Lá vai, lá vai...

gonn1000 disse...

LOL...Acontece aos melhores :P

Scott Arthur Edwards disse...

Here it is... FREE advertising, FREE download. No cost to you! Get your FREE download NOW! Make money and get FREE advertising! This is a great program for you to take advantage of... Check this out now for FREE!

To find out more visit: start work at home business site. It successfully exposes FREE information covering traffic and start work at home business related stuff. Don't forget, FREE, FREE, FREE!!!

Anónimo disse...

Cool guestbook, interesting information... Keep it UP
Chrysler sebring convertible backseat covers Hyundai atos facelift 1961 850 car fiat race Wrc subaru ipreza 1960's ford mustags Rcalifornia car covers Eczema malgre aerius Ford mustangsaleen