segunda-feira, junho 18, 2007

UNDERGROUND

Se bandas como os Interpol, Bloc Party ou Editors, entre tantas outras, têm feito com que as influências pós-punk se mantenham em muito do rock recente, há quem não esqueça que, antes disso, havia o punk, inclusive português, facção que está devidamente representada em "Ataque Frontal: Underground Português do Século XXI".

Compilação organizada pela editora Impulso Atlântico, reúne 50 grupos nacionais, entre veteranos e novatos, que em comum têm as raízes underground e a revolta que se manifesta quase sempre de forma explícita nas letras e sonoridade das canções.
Peste & Sida, Tara Perdida, If Lucy Fell, The Parkinsons ou TwentyInchBurial são alguns dos nomes presentes num álbum duplo, essencial para adeptos do género e bastante elucidativo para curiosos. Mas independentemente dos gostos, é um documento que revela obstinação e amor à camisola, sendo representativo de um género que tem marcado, de forma mais ou menos evidente, a música que se faz por cá.



The Parkinsons - "Angel in the Dark"

7 comentários:

Lídia Gomes disse...

Eu tenho o prazer e a honra de conhecer a personagem que criou esta compilação...

http://osnovospornografos.blogs.sapo.pt

gonn1000 disse...

Presumo que seja o mesmo que me enviou o disco :)

JBM disse...

já agora... eu também tenho o prazer de conhecer tal personagem! :P

gonn1000 disse...

Hum, esta caixa de comentários é quase um meeting point.

Paulo Lemos disse...

Claro que não ia ficar indiferente a este meeting point e deixar de cumprimentar aqui todos os meus conhecidos (e não só :)

João D. disse...

Mas porquê, porquê falar num dos géneros mais manhosos dos últimos tempos(o post-punk evidentemente lol) em termo de comparação com bandas portugas que, segundo o que vi, vai desde o pop-punk dos easyway o starvan, ska com os banshee ou hardcore com os last hope?

E depois meter bloc party e interpol ao barulho? Isto é a mesma coisa que dizer que a scarlett e um boi escocês são da mesma família. È uma vergonha pá(e tal).

Fica bem, abraço.

gonn1000 disse...

Eu apenas disse que nos últimos anos algumas das bandas mais mediáticas têm herança pós-punk, mas que as que partem do punk - estando algumas no CD em destaque - nunca deixaram de surgir, têm é menor visibilidade. Penso que não dei a entender que as bandas incluídas no CD tinham uma sonoridade semelhante às de Interpol, Bloc Party, etc, pelo menos não era essa a intenção.
Fica bem.