segunda-feira, fevereiro 26, 2007

SCORSESE ENTRE AMIGOS

Foi a edição dos Óscares com algumas das melhores nomeações dos últimos tempos e, diz quem viu, uma das mais convincentes enquanto espectáculo. Ao contrário de há uns anos, desta vez Marty brilhou e Clint foi quase esquecido, e embora ambos concorressem com bons filmes também prefiro o vencedor "The Departed: Entre Inimigos". Ainda que o Óscar de Melhor Filme e Realizador se devam mais à carreira de Scorsese do que ao filme em si, antes premiar este do que obras menores como "Gangs de Nova Iorque" e "O Aviador", ou voltar a incensar Eastwood (para isso já bastou "Million Dollar Baby - Sonhos Vencidos").

Coppola, Spielberg e Lucas festejam a vitória de Scorsese

O hype de "Babel" não teve reflexo nas premiações e deu à obra de Iñárritu apenas uma estatueta - para a banda-sonora de Gustavo Santaolalla -, e se o filme não é o melhor do mexicano convence, pelo menos, pela realização e montagem. A "rainha" foi mesmo Helen Mirren, que não desmerece, mas Penélope Cruz e Kate Winslet talvez merecessem mais. Forest Whitaker não deixou que fosse desta que DiCaprio levasse um Óscar para casa (e, já agora, nem Ryan Goslin, que passou praticamente despercebido apesar de um excelente desempenho em "Half Nelson - Encurralados").
"Happy Feet" venceu na animação, e ainda bem, mas se "Uma Verdade Inconveniente" é de facto o melhor documentário então o género não teve a frescura que registou em anos anteriores (não vi os outros nomeados). O feelgood movie indie "Uma Família à Beira de um Ataque de Nervos" lá conquistou o argumento original e o actor secundário e de resto fiquei ainda mais curioso quanto a "O Labirinto do Fauno". Já "Dreamgirls" não me parece muito mais interessante do que um "Chicago", mas ao contrário deste não monopolizou a noite. Da canção vencedora, como de costume, quanto menos se falar - e ouvir-, melhor.

8 comentários:

Demas disse...

Gonn,
vou ter de discordar, Melissa Etheridge tem uma das vozes mais lindas do pop/rock americano. E sem sombra de dúvidas, era a melhor das 5 canções. Aliás, outra canção - e essa sim, verdadeiramente linda - da moça está em "Boys on the side": ouça "I take you with me" e me conte o que achou.
Abração

gonn1000 disse...

Bem, essa (a do filme) e outras (poucas) canções que ouvi dela pareceram-me um rock FM genérico e pouco inovador, daí não ter ouvido os discos.
Fica bem.

Anónimo disse...

Sim, para inovadores já nos basta artistas do calibre e profundidade de uns Placebo, Garbage e dos brilhantes The Bravery.

gonn1000 disse...

Também gostas? :)
Mas olha que mesmo os Garbage e os Placebo já foram mais inovadores...

Anónimo disse...

Garbage e Placebo inovadores onde? E como é que podes comparar os filmes recentes do Scorsese a o que quer que seja se nunca viste filmes anteriores ao ano 2000? Até o Bringing Out The Dead (desculpa não saber a óptima tradução que tem certamente em português) é de 1999.

gonn1000 disse...

Inovadores nos primeiros discos, sobretudo. Mas já são da década passada, por isso se calhar não os ouviste.
E por acaso até vi mais filmes do Scorsese lançados antes do que depois de 2000, mas como não sabes do que falas é natural que atires essas postas de pescada (as if I cared...). Mas volta sempre, gosto de me rir com o que escreves.

Anónimo disse...

Nem vou tentar explicar a ironia tremenda que existe em o gonn1000 dizer-me que não sei do que falo.

gonn1000 disse...

Ora essa... temos tempo, não? Mas tu quem és?