quinta-feira, março 15, 2007

A UM MÊS DO INDIE...

A quarta edição do IndieLisboa realiza-se de 19 a 29 de Abril em Lisboa e conta com 223 filmes de vários géneros e origens geográficas que em comum têm as raízes independentes. A conferência de imprensa de apresentação do programa decorreu esta manhã no cinema Londres e revelou algumas das principais novidades previstas.

Miguel Valverde, Nuno Sena e Rui Pereira, os organizadores, avançaram hoje com as principais linhas orientadoras da quarta edição do Festival Internacional de Cinema Independente que já se tornou num dos eventos de referência do género.

'A Scanner Darkly', o novo filme de Richard Linklater

Das muitas novidades para este ano, salientou-se a inclusão do cinema São Jorge entre as salas que receberão filmes do festival - espaço onde já tinha decorrido a primeira edição -, mantendo-se as do King, Fórum Lisboa e Londres. Outros elementos inéditos são um autocarro especial que fará o percurso de ida e volta entre a Avenida de Roma e a da Liberdade, gratuito para portadores de bilhete para uma das sessões, ou uma bilheteira centralizada no Fórum Lisboa, onde poderão ser adquiridas entradas para todas as salas.

Rui Pereira destacou que esta edição aposta "não no crescimento mas na consolidação do festival", motivo pelo qual há menos filmes do que no ano anterior - serão 223 em vez de 300 -, mas onde se espera atingir um número recorde de espectadores, dando continuidade ao crescimento contínuo ao longo dos anos. A organização aposta em números na ordem dos 30 mil, ultrapassando os 28 mil registados em 2006.

Um recorde que já se verificou foi no número de obras a concurso, 2500, vistas pela organização e das quais foram seleccionadas 230. As que não foram escolhidas poderão ser vistas na Videoteca FNAC, situada no Fórum Lisboa e de acesso gratuito. Continua a aposta nas curtas-metragens, que o certame defendeu desde o início, e este ano serão exibidas 135, suplantando o número de longas, 88. Destas, 127 são europeias (e 18 portuguesas), 38 asiáticas, outras 38 dos EUA e Canadá, 12 da América Latina e 3 de África.

Entre as secções costam a Competição Oficial, o Observatório, o Laboratório, o Indie Júnior, o Indie Music, Director's Cut, as Antestreias e o Herói Independente. Esta última área destacará o Novíssimo Cinema Alemão e o realizador japonês Shinji Aoyama, cujas cinematografias são praticamente desconhecidas em Portugal.
Cineastas alemães surgidos nos anos 90, como Angela Shanelec, Valeska Grisebach ou Thomas Arslan tornaram-se já incontornáveis no seu país, e a organização acredita que a sua vitalidade merece ser finalmente divulgada em salas nacionais. Igualmente inédito entre nós, Aoyama possui uma obra versátil que percorre géneros e formatos - curtas, longas, documentários - e que o colocou entre os nomes cimeiros do cinema nipónico contemporâneo, com visibilidade em vários festivais internacionais mas, até agora, com apenas um filme ("Eureka") editado em DVD em Portugal.

Outros destaques do IndieLisboa contemplam dois concertos que interligam cinema e música. Em "Life in Loops" os austríacos Sofa Surfers actuarão acompanhados por imagens do documentário "Megacities", de Michael Glawogger, um dos filmes mais aplaudidos da edição do ano passado que surgirá numa versão remix. Já "O Garoto de Charlot", de Charles Chaplin, será complementado com música dos Coty Cream.

'Shortbus', de John Cameron Mitchell

Outras actividades especiais são a mostra dos melhores filmes do L'Alternativa, o Festival de Cinema Independente de Barcelona; a estreia do New Crowded Hope em Portugal, projecto que une várias artes numa homenagem a Mozart; as Lisbon Talks, que concentram seminários, mesas redondas, masterclasses e workshops; animações nocturnas no São Jorge e uma grande festa no Lux; ou as extensões em pelo menos cinco cidades a partir de 30 de Abril (Alcobaça, Angra do Heroísmo, Odivelas, Torres Vedras e Vila Nova de Famalicão estão já confirmadas).

Para além de revelar muitos nomos nomes, o IndieLisboa traz também algumas das obras mais recentes de cineastas já consagrados. É o caso de "Fay Grim", de Hal Hartley - realizador que estará presente no festival -; "A Scanner Darkly", de Richard Linklater; "Angel", de François Ozon; "Shortbus", de John Cameron Mitchell; ou "Rio Turvo", do português Edgar Pêra. Larry Clark, Matthew Barney e Gaspar Noe, entre outros, colaboram em "Destricted", conjunto de curtas-metragens, e o actor Ethan Hawke estreia-se na realização em "The Hottest State".
Muitos filmes a descobrir, portanto, ao longo de dez dias já em Abril.

4 comentários:

wasted blues disse...

Conto descobrir muitos! :)

gonn1000 disse...

Já somos dois :)

_Loot_ disse...

Finalmente o scanner darkley em Portugal, viva o Indie.

gonn1000 disse...

Estava difícil, já pensava que só o teríamos em DVD. Espero que o Linklater não desiluda.