terça-feira, janeiro 23, 2007

TOU SUPERAFIM

Nem de propósito... Ainda há dias destaquei aqui o disco de estreia dos Cansei de Ser Sexy, e hoje soube que a banda confirmou já a sua primeira actuação em Portugal. O sexteto brasileiro actua a 4 de Abril no Lux, em Lisboa, às 21h30, com primeira parte dos Tilly & The Wall. Se o concerto estiver à altura do que tenho ouvido dizer dos espectáculos deles, deverá valer bem a pena.

Entretanto, como aperitivo, deixo aqui mais dois vídeos do grupo, ambos não-oficiais. O primeiro, de uma actuação da banda, com a vocalista Lovefoxxx no melhor estilo cheerleader punk, e o segundo feito por jovens fãs que apostaram no do-it-yourself e os resultados são... err... sui generis, mas acho que os CSS eram capazes de gostar.


Cansei de Ser Sexy - "CSS Suxxx (Live)"


Cansei de Ser Sexy - "Bezzi"

30 comentários:

broken bird disse...

Perdoem-me a intromissão, mas porquê o delírio CSS?
Conheci-os há uns meses com o vídeo de ‘Alala’, achei piada à menina nipónica e tirei o albúm, que se tem ficado pelo meu leitor de mp3. Confesso que ganham muito pela criatividade das composições, que são frescas, contagiosas, e no geral, bastante dançáveis. A estética muito trash também tem o seu encanto. É verdade, as miúdas têm pinta. E acredito mesmo que tenham sido apanhados de surpresa pela fama. No entanto, parece-me exagero a euforia dos seguidores e o galardão de maior revelação de 2006. Gabo-lhes o ‘despretensiosismo’ mas nalguns casos os lyrics são crappy in extremis, veja-se no caso de ‘Patins’ e ‘Alcohol’. Tem piada, leva-se para o duche, mas não é absolutamente nada de novo. São bons entertainers mas não são deuses, por favor.
O mais engraçado é que foram os snobs da Pitchfork, que têm por dom ‘transformar’ qualquer disco decente em música de fundo do Pingo Doce, que expandiram o culto a CSS. Curioso não?

Anónimo disse...

Adoro, simplesmente. Mas tb tenho de concordar com broken bird. Tb os conheci com 'Alala', e devo dizer que canções como 'Meeting Paris Hilton' me deixam um pouco atordoado com o som destes CSS, mas gosto e ponto... Tenho de me por já na fila p a bilheteira, se a houver [bilheteira,claro]...

Excelente trabalho o teu, neste espaço, gonn1000! Continua! =)

Anónimo disse...

U-húúúú! Começar assim a quarta-feira é muito bom. E olha que eu ia sempre num ritual quase religioso checar a pagina do MySpace (ja está lá?) para ver se Lisboa aparecia na rota dos concertos...Óptima notícia!E é engraçado mas a opinião do 'broken bird' é valida praí a umas duzentas bandas,um óptimo exemplo, os Artic Monkeys.Não entendo porque sempre ouço isso do 'hype' desnecessário aos CSS.Parece uma crta inplicância já. Pura besteira, deixem-nos ser felizes que eles ja voltam ;)

gonn1000 disse...

Broken Bird: Concordo com tudo o que dizes, é um disco contagiante, embora longe da excelência, mas também não disse que eram deuses. E então qual foi, para ti, a revelação de 2006?

x4x_it: Eu também gosto, pronto :)
E obrigado ;)

Wellington: Sim, se formos falar de hypes exagerados, então este caso até nem é dos mais flagrantes, acho mais desnecessários os dos Artic Monkeys, como dizes, ou o da Cat Power, do Antony and the Johnsons ou do Final Fantasy, entre tantos outros.

_Loot_ disse...

Do que ouvi de Final Fantasy gostei mesmo muito. Não fazia ideia que havia um hype em torno deste projecto, não se compara por exemplo com a febre dos Artic Monkeys. O que me lembrq que ainda não ouvi o cd dos Artic para comentar se esta febre é válida.

gonn1000 disse...

Não se compara, mas ainda assim o disco figurou nas primeiras posições das listas de melhores do ano de grande parte da imprensa.
O álbum dos Artic Monkeys tem os seus momentos, ainda que no geral não seja especialmente impressionante.

broken bird disse...

‘Hype’ a Artic Monkeys também nunca entendi, são iguais a tantos outros dentro do género, talvez por serem quase adolescentes. De resto é mais um disco para aquelas pessoas que engolem colheradas de‘rockzito paneleiro’, como eu costumo dizer para irritar os meus amigos (sem ofensa àqueles que gostam, eu própria também oiço alguns..). Agora relativamente às outras bandas que referiram, nunca me tinha apercebido que eram ‘overrated’, e por acaso até são todos artistas que vi ao vivo. A Cat Power? O trabalho dela tem uma década e parece que só agora, que toca com uma banda, e se afastou do género ‘indie puro’ que eu pessoalmente preferia, se lembraram dela. E de qualquer forma, qualquer das bandas que indicaram são musicalmente bastante distintas de CSS, não em termos de qualidade, porque isso iria gerar uma discussão não muito bonita e pouco ‘sensata’ : > Final Fantasy, Anthony and Johnsons, Cat Power, são adorados por alguns mas para muitos permanecem no anonimato, não carregam seguidores como eu creio que o movimento CSS em Portugal já tenha conseguido. Não me interpretem mal, eu sou apologista do puro divertimento. Coisas como Peaches, Ladytron, Le Tigre, Bikini Kill, Miss Kittin, umas mais a pender para o ‘grrrl riot’, que creio terem inspirado a Lovefoxxx, também são nomes que constam da minha ‘playlist’. Que seja ‘fun’ então.
Acreditem que não é implicância, só queria mesmo compreender ‘fenómeno’. Por acaso até fui eu que dei a conhecer CSS a alguns amigos que se tornaram devotos… Resta-me desejar um bom concerto. :>

Gonn: Vou pensar nisso e deixo-te a dica.

Anónimo disse...

Gonçalo, Achas mesmo que Cat Power e Antony são 'hypes'? Discordo de ti plenamente e agora tenho é de concordar com o Broken Bird. Apesar de achar os discos do Antony perfeitos (e os concertos maravilhosos) Cat Power idem com o último e 'What would community think'não vejo hype nenhum sobre eles. Por exemplo, em Portugal, Antony foi aclamado pela crítica e algum público indie só no segundo álbum..não dá para chamar isso propriamente um 'hype'e a Chan ainda pior, só no último disco. O que é uma pena. Acho que foram discos superelogiados somente isso. Ja o caso dos CSS e Artic Monkeys são diferentes, trata-se do fenómeno, por tudo aquilo que ele representa (novidade,aprovação pelo cânone lá fora..)concorde-se ou não. O problema é pôr em cheque as competencias qualitativas da banda quando o barulho foi feito pela própria midia e não pela banda.Ha de se fazer sempre aquele jogo de comparar às expectativas, quando um disco (livro, filme etc) nunca deveria ter este parametro de base.

Outra coisa, acho que os próprios CSS nunca tiveram pretensões em ser grandes letristas. Acho essa discussão meio ingênua, tola até. Coisa de indie (com o perdão do preconceito - mea culpa)Acho que nem é assim tão implicito que o lema principal da banda é só um:diversão. Melhor ainda, em inglês, FUN.

broken bird disse...

Wellington, tens toda a razão, os lyrics não têm de ser inspirados para a música resultar. Muitas vezes acontece as pessoas gostarem da música sem perceberem minimamente do que se trata. E até tem a sua piada. Eu gosto da Peaches, acho piada àquela 'libido exagerada' que ela cultiva, e acho que não é suposto dar grande crédito às composições dela, que são o deboche completo. Mas pronto, como disseste, o objectivo é divertir as pessoas, e isso não tem nada de mal. É impossível alguém 'divertir-se' a ouvir Anthony and the Johnsons. O concerto dele serviu-me para desentupir as vias respiratórias e ficar com os olhos vermelhitos... Mas é assim mesmo, há música que nos diverte e música que serve de banda sonora para os nossos dias.
Já agora, a Chan Marshall não é linda? :>
Btw, me is a she.

Rafaéu disse...

Que máximo! Eu estava nesse show do vídeo de CSS SUXXX! Estava bem ao fundo, onde tinha mais espaço para dançar.

Não sabia que havia hype em Final Fantasy. Gosto muito do último álbum dele. O primeiro nunca encontrei para baixar. Se alguém quiser, pode me mandar um link ;DD Ficarei muito grato.

É fato: todas as pessoas que têm um passo atrás com os CSS é pq levam a música deles a sério. Gente, isso é uma banda piada, com um nome piada, letras piada, sonoridade piada e integrantes piadas. Que mal há em deixar os protocolos de lado e cair na folia? É óbvio que o álbum não prima pela qualidade estética sonora, até pq os próprios integrantes afirmam que só aprenderam a tocar os instrumentos após um grande festival em 2005, quando notaram que, para fazer shows precisa-se saber tocar instrumentos. Há como pedir qualidade em 5 pessoas (o baterista não conta pois este já toca há tempos) que aprenderam a tocar a menos de dois anos?
Por favor, não os leve a sério e apenas se divirta. Vá lá curtir o show e depois conte para seus amigos a noite maravilhosa que teve.
Só não espere boa qualidade do som nos shows. Geralmente é bem ruim mesmo. Porém a diversão é garantida.

E sobre a Pitchfork e outros hypemakers, bem, acho que eles têm costume de pegar música ruim brasileira e colocar em um pedestal devido à quantidade "fun" gerada. Vide: Caetano Veloso em seu novo e péssimo álbum rock, que chama atenção pelo inusitado, e não pela beleza. Tom Zé e seu som terrível, porém engraçado. Mutantes, que não eram bons instrumentistas, mas fizeram uma revolução, e por aí vai.
Nem sempre deve-se qualificar uma banda pela qualidade sonora, e sim pelo sentimento que ela lhe traz. Se todos admitem que CSS é fun e dançante, pq se preocupar se são originais ou qualificados?

gonn1000 disse...

Broken Bird: Não sei se o culto em torno dos CSS será muito maior do que o de Antony há uns tempos ou o de Cat Power pós-"The Greatest", mas talvez esse factor "fun" que referes esteva na base do "fenómeno". Afinal, as canções da banda paulista são imediatas e trauteáveis como poucas, o que lhes permite chegar a um público diverso, parece-me.

Wellington: Não sei, o "The Greatest" teve uma atenção que os discos anteriores da Cat Power não tiveram, e acho que em termos qualitativos nem está assim tão superior (pelo contrário, embora não conheça toda a obra dela). E o Antony, durante algum tempo, também gerou alguns focos de atenção. Mas nos CSS e nos Artic Monkeys há mais do que isso, sim, em especial o meio como se difundiram, recorrendo à Internet como forma privilegiada de divulgação.
E claro que os CSS não pretendem escrever grandes letras, algumas são ridiculamente inanes mas fazem sentido dentro do seu universo, e é tudo feito de forma auto-consciente, não deve ser levado a sério.

gonn1000 disse...

Rafaéu: Comprendo que certos indies tenham algumas reservas quanto aos CSS, assim como têm em relação a bandas com melodias minimamente festivas e catchy, mas enfim, eles é que perdem. E também percebo que o peso das influências e o relativo amadorismo da banda os façam olhar para o projecto com desdém, sobretudo quando o hype é considerável, mas dentro do género parece-me dos grupos mais interessantes que têm surgido ultimamente.
Agora só espero que os concertos sejam tão bons como dizes ;)

broken bird disse...

Sim, reparei que o 'The Greatest' teve um sucesso dispar comparado com os anteriores discos de Cat Power. E digo muito sinceramente que não entendo, é um estilo um pouco afastado da Cat Power inicial, que como já disse, prefiro. Qualquer pessoa que a conheceu na fase 'Moon Pix' e 'You are Free' fica meio à toa com este albúm. Por mais discutíveis que sejam os gostos, as comparações só vão acabar por dar em discussão. Há pessoas que têm gostos mais versáteis e são mais liberais e abertas a novas experiências musicais, enquanto há outras que defendem que não se fez nada de jeito depois dos anos 80/90. Nós todos podemos tornar-nos 'pseudos' quando falamos de música. Cada um puxa para aquilo que é do seu agrado, todos podemos ter opiniões, e penso que aí está todo o encanto. Eu sou muito de indie, 'shoegaze' e assim coisas bonitinhas, mas também não dispenso uma boa dose de punk ou electroclash. E acima de tudo, gosto de conhecer.

Anónimo disse...

Discussão interessante esta que se estabeleceu por aqui. E, Broken Bird, é naturalmente saudavel que as discussões sejam idiossincráticas. Isto é, que revelem a nossa perspectiva e gostos pessoais. Não vejo isso como um problema, muito pelo contrário. Sobre a mudança de 'rumo' da Chan, acho que isto foi muito antes com 'You are Free'. É impossível associar este disco com a discografia anterior. Acho que o 'Grestest' funciona como se fosse uma segunda parte de uma trilogia. Não só em termos musicais como o tempo entre este disco (YAF) e os anteriores revelam maturidade, evolução musical e para o bem ou para o mal, na aceitação da crítica. 'You are free' tambem esteve na maioria das listas de 'melhores' no ano em que foi lançado. Sobre a Peaches simplesmente detesto-a e acho o tal deboche que falaste algo cínico, fabricado, caricato até. Ao contrário dos CSS que parece ser genuíno e despretensioso. (apesar do 'inglês') Ah, e sim acho a Chan Linda, linda de morrer. (Como se já nao nos bastasse aquela voz)

Rafaéu, pelo seu português percebi que você também é brasileiro e acho que cometeu uma pequena heresia ao meter Os Mutantes ali no meio 'daquela' gente. Eles foram mais que revolucionários, mais que simples letras, mais que meras instrumentalizações. Uma vez o polémico jornalista da Folha Alvaro Pereira Junior disse que o rock brasileiro 'nasceu e morreu com os Mutantes' e eu quase concordo. Não existe uma 'cena' para os Mutantes, não existe um rótulo que so faça encaixar numa determinada época. Mutantes são Mutantes e ponto final. outra coisa que discordo é chamar o Pitchfork de 'sisudo' e 'hypemaker' claro que é esta é a minha opinião mas simplesmente não consigo achar sisudo um site que trata do disco da Beyoncé e dos Bright Eyes no mesmo nível. A crítica sisuda simplesmente os ignora. Um óptimo exemplo de hypemaker (porém divertido) é o New Music Express. Aquilo sim.

Rafaéu disse...

Mas eu não chamei a Pitchfork de "sisuda". Apenas de hypemaker, mas isso é inegável. Assim como NME também é e muitos outros tantos.

Sim, reconheço e admiro (e muito) os Mutantes. Cresci ouvindo-os. Se gosto de rock hoje é pq passei a infância ouvindo Mutantes e Beatles (as duas paixões musicais de minha mãe ;D).
Talvez até tenha feito uma colocação indevida, colocando-os no mesmo "balde" de Tom Zé e Caetano. Mas o que estava me referindo era da "coincidência" ou não da mídia internacional quase não falar sobre ótimos instrumentistas brasileiros, e apenas citar os mais artistas mais diferentes, que tenham algo de exótico.
Reclamo da mídia que dá uma atenção direcionada para a música brasileira, como se aqui só houvesse MPB, freaks, e bandas catchy. Jamais reclamei dos Mutantes em si ;D

gonn1000 disse...

Broken Bird: Concordo com o Wellington, a diversidade de gostos não tem de ser um entrave nem implica que as pessoas adoptem uma perspectiva "pseudo", exemplo disso é o facto desta discussão, onde apesar de opiniões distintas ninguém defendeu a sua como verdade inatacável. Mas mesmo assim também gosto de shoegaze (conheço melhor Curve e Lush) e electroclash, que apesar de já ter expirado o prazo do validade ainda ouço muito ;)

Wellington: Também acho que a carga de provocação da Peaches é demasiado fabricada, mas isso nem me incomoda, antes o facto de não ter conseguido oferecer nada de novo depois do primeiro disco, tanto na música como na imagem (um pouco como o que tem acontecido com o Marilyn Manson).
Gosto dessa versatilidade da Pitchfork, mas não percebo certos seguidismos exagerados de leitores que colocam um disco de lado sem o ouvirem só porque lá disseram mal dele, mesmo que seja de uma banda que gostassem antes.

Rafaéu: Conheço mal a obra dos Mutantes, mas essa parcialidade dos media também se manifesta na música portuguesa, onde geralmente são sempre os mesmos a terem protagonismo fora de portas (se bem que acho que já foi mais assim, a net tem aberto outras portas).

broken bird disse...

Goon: Por falar em indie rock/shoegaze aconselho The Radio Dept., muito bonito, faz lembrar as bandas de 90. Tenho andado apaixonada por eles nos últimos tempos. A referência 'pseudo' não era dirigida a ninguém deste espaço, se deixei transparecer alguma arrogância não foi intencional. Na verdade até me considero uma leiga no 'assunto'. Mais importante do que dizer o que penso é saber o que os demais pensam.
Thank you for the 'chat'. E congrats pelo espaço.
*

gonn1000 disse...

Conheço a banda de nome, mas acho que nuca ouvi nada deles. Fica a referência, obrigado.
E não detectei arrogância nenhuma no que escreveste, julgo que os outros participantes no "chat" também não.
E obrigado :)

Anónimo disse...

Adorava vê-los ao vivo mas infelizmente não vou estar em Portugal nessa data. é preciso ter azar...

gonn1000 disse...

Pode ser que voltem, quem sabe...

wellington disse...

Em tempo: A banda anterior do Adriano (CSS) merecia tbm esta atenção que eles, dos CSS, estao a ter agora. São os «Thee Butchers orchestra» e ao vivo são destruídores. No Brasil já tem uma carreira sólida no meio independente e acho que ja têm tres albuns, salvo erro. Cadê que estas coisas chegam por aqui?!

gonn1000 disse...

Nunca ouvi falar, deve ser das tais bandas que, sabe-se lá porquê, não chega cá...

H. disse...

Soa bem esse concerto. Gosto do que conheço dos Tilly and the Wall. Arrisco dizer que até gosto mais que das CSS...

gonn1000 disse...

Munca ouvi os Tilly and the Wall, tenho de ver se corrijo isso entretanto.

Anónimo disse...

Volto a esta caixa de comentários só para registar uma coisa engraçada. Encontrei numa revista brasileira antiga uma relação com a escolha dos críticos para melhor album do ano. Apesar de não ter ficado entre os três primeiros «YOU ARE FREE» estava em praticamente 90% das listas.. Acho que lá foi muito mais falado/elogiado do que aqui e talvez por isso, ainda acho que ele (o disco) foi muito mais 'hypado'que o último «The Greatest». Aliás, vou dar uma pesquisada para por isto no blogue. rsss Abraços ;)

gonn1000 disse...

Hum ok, mas por cá parece-me que em geral passou mais despercebido do que o "The Greatest", nunca a tinha visto ser alvo de tanta atenção.
Fica bem :)

Kraak/Peixinho disse...

HAHAHA! Gonn, desculpa mas naum posso concordar contigo sobre o hype Cat Power e Final Fantasy. Mas qual hype?? Chan Marshall já canta há milhões de anos e Final Fantasy apareceu à sombra dos Arcade Fire. Ao contrário destes, CSS e Arctic Monkeys é que foram altamente promovidos pelos media de uma forma altamente exagerada, se bem que considero os Arctic Monkeys bem melhor que CSS.

gonn1000 disse...

Sim, a Chan já canta há muito, mas o "The Greatest" foi alvo de alguma histeria sem precedentes (a meu ver injustificada), ou não?
É verdade que Final Fantasy apareceu à sombra dos Arcade, mas ainda teve bastante atenção e não foi esquecido em muitos tops de melhores do ano.
Cumps ;)

Nique disse...

Oi,
olha nosso video aí do Cansei de ser Sexy- Bezzi
=]

;*

gonn1000 disse...

:)